CIDH

Comunicado de Imprensa

CIDH comemora os avanços em termos de reconhecimento dos direitos das pessoas trans na região

29 de março de 2019

   Contato de imprensa

María Isabel Rivero
Imprensa e Comunicação da CIDH
Tel: +1 (202) 370-9001
mrivero@oas.org

   Mais sobre a CIDH
   Comunicados da CIDH

Nesta página encontram-se os comunicados de imprensa que foram emitidos em português. Para ver todos os comunicados emitidos no ano pela CIDH, por favor consultar a página em inglês ou em espanhol

A+ A-

Washington, D.C. – No marco do Dia Internacional da Visibilidade Trans, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) comemora os recentes avanços observados em diversos Estados da região, que procuram garantir os direitos das pessoas trans e de gênero diverso, e recomenda que os Estados Membros da OEA continuem avançando no reconhecimento pleno e integral dos direitos destas pessoas, assim como combatendo as causas da discriminação, exclusão e violência que enfrentam.

A CIDH ressalta que o reconhecimento da identidade de gênero é um requisito crucial para o gozo de diversos direitos humanos das pessoas trans. Este direito está intrinsicamente relacionado com os direitos à identidade pessoal, ao nome, à saúde, ao trabalho, moradia, educação e cultura, dentre outros. Além disso, em virtude da interdependência e indivisibilidade dos direitos humanos, a falta de reconhecimento da identidade de gênero constitui o principal obstáculo para que as pessoas trans realizem seus projetos de vida de forma plena, livres de todo tipo de discriminação e violência. Nesse sentido, a Comissão comemora os avanços em matéria de leis de identidade de gênero na região, como as adotadas pela Argentina, Bolívia, Chile e Uruguai. Estes Estados garantem em sua normativa o pleno reconhecimento da identidade de gênero e os ajustes necessários nos registros documentais a todas as pessoas trans em seus territórios. A Comissão destaca, especialmente, as normativas da Argentina e do Uruguai, que estão entre as mais avançadas sobre o tema no mundo, por garantir a identidade de gênero de acordo com os parâmetros interamericanos, e introduzir medidas de proteção integral relativas a diversos direitos humanos destas pessoas.

Adicionalmente, a CIDH reconhece o papel dos tribunais de justiça na defesa, reconhecimento e respeito dos direitos humanos das pessoas trans. Nesse sentido, a CIDH destaca a sentença do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil que, em março de 2018, permitiu que as pessoas trans modifiquem seu nome no registro civil, sem a necessidade de realizar cirurgias de redesignação de gênero como era anteriormente exigido. No México, por outra parte, houve importantes decisões da Suprema Corte de Justiça da Nação (SCJN) que garantem o acesso à retificação de documentos de identidade de acordo com o gênero auto identificado.

No concernente à expressão de gênero, um dos principais avanços ocorreu em novembro de 2018, quando a Corte de Justiça do Caribe declarou inconstitucional a Seção do Resumo dos Crimes Jurisdicionais do Estado da Guiana, que tipificava como crime o uso de vestimentas socialmente atribuídas a outro gênero (cross-dressing). A CIDH exalta que esta decisão reconhece que o exercício desta forma específica de liberdade de expressão não pode ser uma razão válida para justificar atos discriminatórios. Sobre este particular, a CIDH alerta que a discriminação e a violência contra as pessoas trans podem se manifestar através de preconceitos contra sua expressão de gênero, a qual em alguns casos contesta os padrões binários socialmente aceitos como feminino ou masculino. Nesse sentido, a Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão da CIDH considera que este tipo de expressões constituem discursos que manifestam elementos essenciais da identidade ou dignidade das pessoas protegidos pela Convenção Americana.

Além disso, a Comissão observa algumas medidas progressivas incentivadas pela sociedade civil em Estados que iniciaram ações pontuais para garantir às pessoas trans o acesso a direitos específicos e reparações históricas por exclusão social. Nesse sentido, a CIDH recebeu informações sobre a Circular Nº. 768, da Superintendência de Educação do Chile, que estabelece uma obrigação de respeitar o uso do nome social no âmbito educacional. E ainda, essa diretriz reconhece o uso do uniforme escolar e das instalações sanitárias concordantes com a própria identidade de gênero. A Comissão também recebeu informações sobre várias universidades públicas no Brasil que criaram cotas para pessoas trans, como no caso da Universidade Federal da Bahia (UFBA), primeira universidade federal do país a reservar vagas em 2017, assim como a Universidade Federal do Cariri (UFCA) e a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), em 2018.

Em termos de participação democrática, a CIDH reconhece as medidas adotadas por alguns Estados que, diante da falta de uma legislação sobre identidade de gênero, procuram garantir o pleno acesso ao direito a voto das pessoas trans, removendo obstáculos ou discriminação em razão da sua identidade e/ou expressão de gênero. Por exemplo, o Tribunal Supremo Eleitoral de El Salvador, desde 2014, garante, através de Instrução Normativa para as zonas eleitorais, o direito ao voto em um ambiente livre de discriminação para as mulheres e homens trans. Nessa mesma linha, na Guatemala, o Tribunal Supremo Eleitoral incluiu em suas diretrizes disposições sobre a atenção às pessoas trans no momento da votação. Adicionalmente, o Instituto Nacional Eleitoral (INE) do México aprovou, em dezembro de 2017, um protocolo que busca impedir a discriminação e garantir o acesso ao voto respeitando a identidade de gênero das pessoas.

A Comissão também comemora o incremento dos cargos por eleição popular ocupados por pessoas trans em países da região. No Canadá, Julie Lemieux foi eleita a primeira Prefeita abertamente trans do país, em novembro de 2017. Nos Estados Unidos, Danica Roem foi eleita para a Assembleia Legislativa do estado da Virgínia em novembro de 2017, e Gerri Cannon e Lisa Bunker foram as primeiras mulheres trans eleitas para a Assembleia Legislativa do estado de New Hampshire nas eleições de 2018. E, pela primeira vez na história do Brasil, uma mulher trans, Duda Salabert, candidatou-se em 2018 a uma vaga no Senado Federal.

Em relação a acesso à justiça, a Comissão tomou conhecimento de avanços positivos relativos ao reconhecimento da identidade de gênero e a aplicação da perspectiva de diversidade sexual. Em maio de 2018, a CIDH registrou a primeira decisão judicial da região que reconheceu a figura jurídica do transfemicídio agravado por ódio à identidade de gênero da vítima na sentença condenatória do acusado pela morte da ativista social trans Diana Sacayán, na Argentina. Também pela primeira vez, na Colômbia, em dezembro de 2018, a Vara Criminal de Huila condenou o autor do homicídio de uma mulher trans pelo crime de feminicídio, sendo a primeira vez naquele país que a figura penal do feminicídio foi aplicada em relação a uma mulher trans. Sobre este ponto, a Comissão ressalta as altas cifras de violência e discriminação contra as pessoas trans e de gênero diverso na região, e reitera a importância de prevenir, investigar com a devida diligência, sancionar e reparar os atos de violência e discriminação cometidos contra elas.

Sobre o direito à saúde, desde 2008, o Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil realiza cirurgias de transgenitalização para mulheres trans. Em janeiro de 2018, o Conselho Federal de Psicologia do Brasil aprovou uma resolução que proíbe que psicólogos realizem ou colaborem com quaisquer tentativas de conversão, reversão ou reorientação da identidade de gênero. Sobre o direito ao trabalho, o Estado da Argentina, através da Direção Geral de Políticas Integrais de Diversidade Sexual (DGPIDS) do Ministério da Justiça e Direitos Humanos dispõe de um Banco de Emprego para pessoas trans. Assim sendo, as empresas e órgãos públicos e privados que oferecem postos de trabalho são colocados em contato com as pessoas candidatas que apresentaram seu currículo. Na opinião da CIDH, os Estados devem assegurar que o acesso aos direitos econômicos, sociais e culturais não seja negado a pessoas trans com base em discriminação ou preconceitos. Adicionalmente, os Estados devem avançar promovendo medidas afirmativas que atendam especificamente as necessidades das pessoas trans, e procurem superar as barreiras estruturais e históricas enfrentadas por estas pessoas para o exercício de seus direitos.

Finalmente, a Comissão considera que os avanços mencionados anteriormente são exemplos positivos de medidas destinadas a facilitar que as pessoas trans desenvolvam seus projetos de vida, de forma digna e livre de todas as formas de violência e discriminação. A CIDH solicita aos Estados Membros da OEA que continuem criando e implementando leis e políticas públicas que fomentem a inclusão das pessoas trans na sociedade. Além disso, a Comissão reitera que essas medidas devem ser construídas em conjunto com as pessoas cujas vidas são diretamente impactadas pelas mesmas, portanto a participação da sociedade civil é um componente vital na sua elaboração e implementação. E ainda, a Comissão reitera sua recomendação aos Estados para incentivar mudanças culturais dirigidas a erradicar a discriminação contra as pessoas LGBTI, particularmente as pessoas trans.

A Relatora sobre os Direitos das Pessoas Lésbicas, Gay, Bissexuais, Trans e Intersexo, Comissária Flávia Piovesan, observou que: “É essencial que os Estados adotem medidas eficazes visando a transformação cultural, a fim de erradicar a violência e a discriminação contra as pessoas LGBTI, com base na cláusula de igualdade e proibição da discriminação, que é um princípio fundamental, requisito e condição essencial para o pleno exercício dos direitos humanos”.

A CIDH é um órgão principal e autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), cujo mandato surge a partir da Carta da OEA e da Convenção Americana sobre Direitos Humanos. A Comissão Interamericana tem como mandato promover a observância e defesa dos direitos humanos na região e atua como órgão consultivo da OEA na temática. A CIDH é composta por sete membros independentes, que são eleitos pela Assembleia Geral da OEA a título pessoal, sem representarem seus países de origem ou de residência.

 

No. 085/19