Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH)

Visitas a Países

2020

Venezuela, 4 a 7 de fevereiro de 2020

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) realizó, del 5 al 8 de febrero, una histórica visita in loco para monitorear la situación de derechos humanos en Venezuela. La visita, que estaba inicialmente programada para realizarse entre los días 4 y 7 de febrero en las ciudades de Caracas y Maracaibo, se realizó en la ciudad de Cúcuta, Colombia, frontera con Venezuela, tras la negativa por parte de las autoridades venezolanas del ingreso de la CIDH al país.

La misión de la CIDH estuvo presidida por la Relatora de País para Venezuela, Comisionada Esmeralda Arosemena de Troitiño y por la Relatora sobre los Derechos de los Migrantes, Comisionada Julissa Mantilla Falcón. La delegación también contó con la participación del Secretario Ejecutivo, Paulo Abrão y especialistas de la Secretaría Ejecutiva.

Chile, 25 a 31 de janeiro de 2020

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) realizó su visita in loco a Chile del 25 al 31 de enero, que tuvo como objetivo observar en terreno la situación de derechos humanos a partir de los hechos de las protestas sociales, evaluando sus causas y consecuencias.

La Delegación de la CIDH estuvo integrada por, la Presidenta de la Comisión, Comisionada Esmeralda Arosemena de Troitiño, el Vicepresidente y Relator para Chile, Comisionado Joel Hernández, las Comisionadas Margarette May Macaulay, Flávia Piovesan, Julissa Mantilla y el Comisionado Stuardo Ralón; además, el Secretario Ejecutivo Paulo Abrão.



2019

El Salvador, 2 a 4 de dezembro de 2019

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) culminó su visita in loco a El Salvador realizada del 2 al 4 de diciembre, la cual tuvo como objetivo observar en terreno la situación de derechos humanos en el país, en particular, temas relacionados con seguridad ciudadana y la situación de personas privadas de libertad; memoria, verdad, justicia y acceso a la justicia; la situación de los derechos de las mujeres y personas LGBTI; y la situación de personas migrantes, desplazadas y los derechos económicos, sociales, culturales y ambientales (DESCA). Adicionalmente, como ejes transversales dio atención a la libertad de expresión, a la situación de personas defensoras de derechos humanos y operadores de justicia, y a otros grupos en situación particular de riesgo.

La delegación de la visita estuvo compuesta por la Presidenta de la CIDH, Esmeralda Arosemena de Troitiño, el Primer Vicepresidente, Joel Hernández, la Segunda Vicepresidenta, Antonia Urrejola; las Comisionadas Flavia Piovesan y Margaret May Macaulay – Relatora de país para El Salvador - y el Comisionado Luis Ernesto Vargas. Asimismo, integró la delegación el Secretario Ejecutivo, Paulo Abrão y personal técnico de la Secretaría Ejecutiva.

Paraguai, 14 a 17 de outubro de 2019

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) realizó, entre los días 14 y 17 de octubre de 2019, una visita de trabajo a Paraguay con el objeto de obtener información relativa a la situación de los derechos humanos en el país, en particular con relación a la situación de los derechos de las niñas, niños y adolescentes; de las mujeres; pueblos indígenas; temas del derecho a la igualdad y no discriminación; memoria verdad y justicia, así como los derechos de las personas privadas de la libertad.

Haiti, 3 a 4 de junho de 2019

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) realizó una visita a Haití el 3 y 4 de junio con el fin de promover el diálogo con autoridades estatales y la sociedad civil sobre la situación del derechos humanos en el país, al tiempo de identificar oportunidades de colaboración con la CIDH. La delegación de la CIDH estuvo encabezada por el Secretario Ejecutivo, Paulo Abrão y personal técnico de la Secretaría Ejecutiva.

Uruguai, 27 a 29 de maio de 2019

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) realizó una visita de trabajo a Uruguay, entre los días 27 y 29 de mayo de 2019, con el objeto de obtener información relativa a la situación de los derechos humanos en el país, en particular en relación con la situación del tema de memoria, verdad y justicia; personas privadas de la libertad y niñas, niños y adolescentes; así como los derechos de las mujeres y de las personas LGBTI. La delegación estuvo compuesta por la Comisionada Esmeralda Arosemena de Troitiño, Presidenta de la CIDH y Relatora sobre los Derechos de la Niñez, por la Comisionada Antonia Urrejola Noguera, Relatora de País sobre Uruguay, y por especialistas de la Secretaría Ejecutiva de la CIDH.

La Comisión reconoce el importante liderazgo de la Republica Oriental de Uruguay en la consolidación de la independencia y autonomía del Sistema Interamericano de Derechos Humanos. Al mismo tiempo, agradece al Estado toda la asistencia brindada en la organización y realización de la visita, así como la apertura y el apoyo de las autoridades desde el más alto nivel para abordar los temas de interés de la CIDH. Asimismo, la Comisión agradece el esfuerzo de representantes de organizaciones de la sociedad civil, de periodistas, de personas defensoras de los derechos humanos y de las víctimas de violaciones de derechos humanos y de sus familiares para presentarle información y testimonios.

En el marco de esta visita la Comisión Interamericana sostuvo reuniones de trabajo con diversas instituciones del Estado, incluyendo encuentros con autoridades de los poderes Ejecutivo, Legislativo y Judicial; con representantes de organizaciones de la sociedad civil; con sectores académicos de Uruguay; y con personas víctimas de violaciones de sus derechos humanos.

Barbados, Bahamas, Jamaica e Trinidad e Tobago, 19 a 28 de fevereiro de 2019

La Comisión realizó la cuarta visita de trabajo a Barbados, Trinidad y Tobago, Jamaica y las Bahamas del 19 al 28 de febrero de 2019. La delegación estuvo compuesta por las comisionadas Esmeralda Arosemena de Troitiño y Margarette May Macaulay y dos especialistas de los relatores temáticos sobre los derechos de las mujeres y los derechos de los niños. En el seminario de capacitación realizado en las Bahamas, la Comisión entendió que una visita de trabajo al Caribe de habla inglesa era extremadamente importante para comprender la realidad local, los desafíos que aún afectan a la región y brindar cooperación cuando sea posible. En el caso de Barbados, esta fue la primera visita de la Comisión en casi 60 años.

El objetivo principal de la visita fue fortalecer los lazos de la región con el Sistema Interamericano, que es uno de los componentes de este proyecto, y abordar especialmente la situación de las mujeres, niñas y adolescentes en estos países.

Durante esta visita, se realizaron 9 reuniones de alto nivel con Ministros de Estado y Secretarios Permanentes. La Comisión también aprovechó la oportunidad para organizar cuatro reuniones con organizaciones de la sociedad civil, una en cada país. También se celebraron reuniones con expertos en cuestiones de género y niños, y la Comisión también se reunió con organizaciones internacionales y los Altos Comisionados canadienses en estos países.



2018

Brasil, 5 a 12 de novembro de 2018

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) realizó una visita in loco a Brasil del 5 al 12 de noviembre de 2018, con el objetivo de observar en terreno la situación de derechos humanos en el país. La anterior visita in loco que la CIDH condujo en Brasil fue en 1995.

La delegación estuvo encabezada por la Presidenta, Comisionada Margarette May Macaulay, e integrada por la Primera Vicepresidenta, la Comisionada Esmeralda Arosemena de Troitiño; el Comisionado Francisco Eguiguren Praeli; el Comisionado Joel Hernández García; y la Comisionada Antonia Urrejola Noguera, Relatora de país para Brasil. Asimismo, integraron la delegación la Secretaria Ejecutiva Adjunta, María Claudia Pulido; la Jefa de Gabinete del Secretario Ejecutivo, Marisol Blanchard Vera, el Relator Especial para la Libertad de Expresión, Edison Lanza; la Relatora Especial para los Derechos Económicos, Sociales, Culturales y Ambientales (DESCA), Soledad García Muñoz; y especialistas de la Secretaría Ejecutiva de la CIDH.

Desde 2013, la CIDH ha observado una serie de graves desafíos particularmente en materia violencia y seguridad ciudadana, los cuales tienen un impacto desproporcionado en grupos en situación de especial vulnerabilidad, tales como personas afrodescendientes; pueblos indígenas; personas privadas de libertad; personas en situación de pobreza; personas en situación de calle; campesinas, campesinos y trabajadores rurales; y víctimas de casos de graves violaciones a derechos humanos los cuales se encuentran impunes en Brasil.

Por lo anterior, La CIDH realizó observación en terreno sobre la situación de derechos humanos en el país, atendiendo los siguientes ejes transversales: discriminación, desigualdad, pobreza, institucionalidad democrática y políticas públicas en derechos humanos. En particular, la Relatora sobre los Derechos de las Personas Afrodescendientes y contra la Discriminación Racial observó la situación de las personas afrodescendientes y pueblos afrodescendientes tradicionales (quilombolas).

La Comisión recabó además cientos de testimonios de víctimas de violaciones a los derechos humanos y sus familiares, y revisó numerosos documentos, leyes y proyectos de ley y otras informaciones. La CIDH realizó visitas de observación a diversas localidades de los Estados de Bahía, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Río de Janeiro, São Paulo y Roraima, así como la capital, Brasilia.La Comisión visitó instituciones estatales, como la zona de uso de drogas Cracolândia en São Paulo. En particular, la CIDH visitó el Complexo Penitenciário de Pedrinhas, en São Luís, Maranhão, y la Penitenciaria Agrícola de Monte Cristo en Roraima. De igual forma, visitó en Rio de Janeiro el Instituto Penal Plácido Sá Carvalho, la Cadeia Pública Jorge Santana y la cárcel para mujeres Nelson Hungría –todos ellos, pertenecientes al Complejo Penitenciario de Gericinó (Bangú). También, visitó el Centro Socioeducativo Don Bosco.

FlickrGaleria de fotos

Peru, 29 a 31 de outubro de 2018

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) realizó una visita de trabajo a Perú entre los días 29 y 31 de octubre de 2018 con el objetivo de dar seguimiento a los proyectos de reforma del sistema de justicia del país y de obtener informaciones relativas a la situación de los derechos humanos de las mujeres, niñas y adolescentes. La delegación de la Comisión estuvo compuesta por la Comisionada Margarette May Macaulay, Presidenta de la CIDH y Relatora sobre los Derechos de las Mujeres, por el Comisionado Joel Hernández García, Relator de País sobre Perú, y por especialistas de la Secretaría Ejecutiva de la CIDH.

En el marco de esta visita la CIDH sostuvo reuniones de trabajo con representantes de diversas entidades del Estado, incluyendo encuentros con los poderes Ejecutivo, Judicial y Legislativo; con representantes de organizaciones de la sociedad civil; con sectores académicos del Perú; y con personas víctimas de violaciones de sus derechos humanos.

De igual forma, la CIDH participó en varios eventos con el fin de promover los estándares interamericanos relativos a los derechos humanos. La Comisionada Macaulay participó en el seminario “Mujeres y Justicia Constitucional. 25 años de la regulación de violencia contra las mujeres”, organizado por el Centro de Estudios Constitucionales del Tribunal Constitucional, y en el conversatorio “Corrupción Judicial y acceso a la justicia para mujeres, niñas y adolescentes en el Perú”, por invitación de Demus-Perú y de CLADEM-Perú. Por su parte, el Comisionado Hernández participó en el evento sobre “Corrupción y sistema de justicia: reformas pendientes” en el marco de la celebración de los 20 años de la Maestría en Derecho con mención en Política Jurisdiccional de la Pontificia Universidad Católica del Perú.

Honduras, 30 de julho a 3 de agosto de 2018

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) condujo una visita in loco a Honduras del 30 de julio al 3 de agosto de 2018. El objetivo de esta visita fue observar en terreno la situación de derechos humanos en el país.

La delegación estuvo encabezada por la Primera Vicepresidenta, Esmeralda Arosemena de Troitiño; e integrada por el Segundo Vicepresidente Luis Ernesto Vargas Silva; las Comisionadas Flávia Piovesan y Antonia Urrejola, y el Comisionado Joel Hernández García, Relator de la CIDH para Honduras. Asimismo, integraron la delegación el Secretario Ejecutivo de la Comisión, Paulo Abrão; la Secretaria Ejecutiva Adjunta, María Claudia Pulido; la Jefa de Despacho del Secretario Ejecutivo, Marisol Blanchard Vera, el Relator Especial para la Libertad de Expresión, Edison Lanza; la Relatora Especial para los Derechos Económicos, Sociales, Culturales y Ambientales (DESCA), Soledad García Muñoz, y especialistas de la Secretaría Ejecutiva.

La CIDH realizó una observación en terreno sobre la situación de derechos humanos en el país, atendiendo diversos temas, incluyendo la situación de los derechos de las personas privadas de libertad. La Comisión Interamericana sostuvo reuniones con autoridades gubernamentales; con representantes y organizaciones de la sociedad civil, personas defensoras de derechos humanos, autoridades indígenas, organismos internacionales, académicos, periodistas y sector privado. Asimismo, recabó testimonios de víctimas de violaciones a los derechos humanos y sus familiares. En particular, la CIDH realizó visitas sin restricciones a diversas regiones incluyendo Tegucigalpa, San Pedro Sula, Tela, Puerto Lempira, el Bajo Aguán, y recorrió centros de detención, en particular, visitó el Primer Batallón de Infantería de las Fuerzas Armadas de Honduras, en el municipio de Tegucigalpa; el Tercer Batallón de Infantería, en Naco, Cortés; la Penitenciaria Nacional Femenina de Adaptación Social (PN-FAS), el Centro de Privación de Libertad para Adolescentes, “Renaciendo”, en la Aldea de Tamara; y la Penitenciaría Nacional de Choluteca, en La Trinidad, Choluteca.

FlickrGaleria de fotos

Nicarágua, 17 a 21 de maio de 2018

El 3 de mayo de 2018, frente a los graves hechos de violencia en Nicaragua, la CIDH anunció su decisión de instalar una Sala de Coordinación y Respuesta Oportuna e Integrada (SACROI) con el objeto de dar especial atención a la situación de derechos humanos en el país.

Posteriormente, del 17 al 21 de mayo de 2018, la CIDH realizó una visita de trabajo a Nicaragua con el objetivo de observar en el terreno de manera preliminar la situación de los derechos humanos en el país en relación con los hechos violentos que tuvieron lugar a partir del 18 de abril de 2018, documentar estos hechos y emitir las primeras recomendaciones concretas al Estado. Para tal fin, la CIDH trabajó en tres equipos, visitado cuatro ciudades (León, Managua, Matagalpa y Masaya), instalaciones estatales, centros de salud, hospitales, el Instituto de Medicina Legal y centros de detención. El 21 de mayo, la CIDH publicó sus Observaciones Preliminares sobre la visita.

La delegación a cargo de la visita estuvo liderada por la Comisionada Antonia Urrejola, Relatora de la CIDH para Nicaragua, quien estuvo apoyada por el Comisionado Joel Hernández, Relator sobre los Derechos de las Personas Privadas de Libertad; y el Comisionado Francisco Eguiguren, Relator sobre Defensores y Defensoras de Derechos Humanos. Además, fue asistida por Paulo Abrão, Secretario Ejecutivo; María Claudia Pulido, Secretaria Ejecutiva Adjunta para el Monitoreo, Promoción y Cooperación Técnica en Derechos Humanos; los Relatores Especiales para Libertad de Expresión, Edison Lanza, y para DESCA, Soledad García Muñoz, y por los especialistas de la Secretaría Ejecutiva.

A través de la SACROI, la CIDH continúa dando seguimiento a la grave crisis de derechos humanos que atraviesa Nicaragua. Finalmente, la CIDH constató que, no obstante los importantes avances en la lucha contra la corrupción y lucha contra la impunidad encabezados por la Comisión Internacional contra la Impunidad en Guatemala (CICIG), el Ministerio Público y los esfuerzos de algunos jueces y juezas, persisten en la actualidad una serie de desafíos identificados por la CIDH en su informe de país.

Colômbia, 15 a 18 de maio de 2018

La CIDH realizó la segunda visita de trabajo a Colombia en mayo de 2018. La Comisión identificó a Colombia como un país clave para visitar debido a las múltiples formas de violencia y discriminación que enfrentan las mujeres, niñas y adolescentes. En particular, después de la aprobación del Acuerdo de Paz en Colombia, la CIDH recibió múltiples informes de actos de violencia profundamente preocupantes contra mujeres defensoras de derechos humanos de comunidades indígenas y afrocolombianas, así como información relacionada con el aumento de la violencia contra mujeres, niñas y adolescentes en los territorios quedaron vacantes después de la retirada de los grupos armados ilegales. Dado el interés de las autoridades colombianas y la sociedad civil por dar la bienvenida al AICHR, se organizaron varios eventos académicos, visitas y reuniones con funcionarios en el marco de esta visita, que tuvo lugar entre el 15 y el 18 de mayo de 2018 en las ciudades de Cali y Bogota.

Con respecto a la visita, la CIDH identificó instituciones clave y funcionarios públicos con los que reunirse y temas clave que abordar. Como resultado, la CIDH se reunió con representantes estatales, organizaciones de la sociedad civil y agencias internacionales a cargo de los derechos de las mujeres y los niños. La CIDH participó en una serie de eventos organizados por el sector académico y por organizaciones de la sociedad civil.



2017

El Salvador, 20 a 22 de novembro de 2017

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) realizó una visita de trabajo a El Salvador del 20 al 22 de noviembre de 2017. La visita tuvo como objetivo monitorear la situación de derechos humanos en El Salvador y, en particular, la situación de los derechos de las mujeres y de las niñas. La delegación estuvo integrada por la Comisionada Margarette May Macaulay, en sus calidades de Relatora de la CIDH para los Derechos de las Mujeres y de Relatora de país, así como por especialistas de la Secretaría Ejecutiva de la CIDH.

La CIDH sostuvo reuniones de trabajo con diversas autoridades de los tres poderes del Estado, con el objetivo de conocer la situación actual de los derechos humanos en el país y, en especial, la situación de los derechos de las mujeres y de las niñas en El Salvador. En reuniones con representantes del Estado, la CIDH obtuvo información relativa a legislación, políticas nacionales y mecanismos de protección de los derechos de las mujeres y de las niñas.

La delegación de la CIDH sostuvo una reunión con representantes de diversas agencias de Naciones Unidas presentes en el país. En esta reunión, se trataron temas relativos a las consecuencias del contexto de inseguridad ciudadana en el país y al panorama actual de derechos de las mujeres y de las niñas en El Salvador. De manera particular, se abordó la situación actual relativa a los derechos sexuales y reproductivos, a la participación política de las mujeres, a la situación de vulnerabilidad de las mujeres migrantes y a los desafíos que siguen enfrentando las niñas y las adolescentes en el país.

Guatemala, 31 de julho a 4 de agosto de 2017

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) realizó una visita in loco a Guatemala entre el 31 de julio y el 4 de agosto. La CIDH observó en terreno una grave situación de desigualdad y discriminación que afecta particularmente a pueblos indígenas, así como a mujeres, personas desplazadas, personas lesbianas, personas con discapacidad, privadas de libertad, y niños, niñas y adolescentes.

La CIDH constató la persistencia de múltiples factores que contribuyen a una situación de impunidad estructural. Además, recibió información sobre la autorización estatal de actividades y proyectos de industrias extractivas en territorios de pueblos indígenas, sin haber realizado la consulta previa con miras a obtener consentimiento. La CIDH recibió también información sobre la violencia contra periodistas, así como sobre la concentración de la propiedad de medios. La Comisión llamó la atención sobre la situación de especial vulnerabilidad en que continúan las mujeres en Guatemala, especialmente las mujeres indígenas. Asimismo, recibió con gran preocupación la falta de reconocimiento de la identidad afro en el país. En relación a los derechos de las personas LGBTI, la Comisión expresó su preocupación por el proyecto de “Ley para la protección de la vida y la familia", que pretende prohibir la enseñanza sobre diversidad sexual y reafirmar la calidad del matrimonio como derecho exclusivo a las personas de sexos opuestos. La CIDH también fue ampliamente informada sobre la grave situación humanitaria producto de los desalojos forzosos de comunidades. Sobre la situación de las personas privadas de libertad, el sistema penitenciario se caracteriza principalmente por hacinamiento, uso excesivo de la prisión preventiva y deplorables condiciones de detención.

La CIDH visitó la Casa Para Niños Aleluya; el Centro Juvenil de Privación de Libertad para Varones (CEJUPLIV “Etapa II”), en San José Pinula; el Centro Juvenil de Privación de Libertad para Mujeres (CEJUPLIM-“Gorriones”); las carceletas localizadas en el Sótano 1, de la Torre de Tribunales del Organismo Judicial; el Centro de Detención Preventiva para Mujeres Santa Teresa; el Centro de Orientación Femenino (COF), la Granja de Rehabilitación Penal Pavón, y el Hospital Nacional de Salud Mental “Federico Mora”.

Finalmente, la CIDH constató que, no obstante los importantes avances en la lucha contra la corrupción y lucha contra la impunidad encabezados por la Comisión Internacional contra la Impunidad en Guatemala (CICIG), el Ministerio Público y los esfuerzos de algunos jueces y juezas, persisten en la actualidad una serie de desafíos identificados por la CIDH en su informe de país .

Peru, 8 a 9 de julho de 2017

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos realizó una visita a las comunidades de Chiriaco, Cuninico y Puerto Alegría, así como a tres zonas de derrame del oleoducto norperuano, con el objetivo de recabar información sobre la situación de derechos humanos de las comunidades afectadas por los derrames en la Amazonía peruana.

Durante la visita, la Comisión realizó reuniones que incluyeron a Apus y autoridades de decenas de comunidades, así como con una masiva participación comunitaria, en las que recibió información de parte de líderes y lideresas indígenas, defensores y defensoras de derechos humanos y otros miembros de las comunidades sobre su situación en el marco de los derrames de petróleo. La CIDH recibió además información por parte de altas autoridades estatales, así como de representantes de Petroperú.

De manera general, la CIDH fue informada en las tres comunidades sobre la presencia subsistente de petróleo y otros minerales en los ríos y árboles que se utilizan como medio de transporte y subsistencia. De acuerdo con la información que la CIDH pudo constatar, las comunidades de Cuninico y Puerto Alegría no cuentan con acceso a agua potable, y por tanto, han desarrollado un sistema de recolección de agua de lluvia que consumen sin ningún tratamiento. Las autoridades indígenas relataron que el agua de los ríos está contaminada y tampoco es adecuada para el consumo humano. La Comisión recibió además información sobre el impacto de los derrames en la alimentación de las y los habitantes de las comunidades debido a que el número de peces habría disminuido después de los derrames, y aquellos peces que han subsistido no serían aptos para el consumo ya que presentarían deformaciones y sabor a petróleo. Como consecuencia de lo anterior, se habrían producido afectaciones a la salud de las y los habitantes de la zona, como cólicos, diarrea, afectaciones de piel, alergias, sangrados y mareos, así como altos índices de desnutrición. La CIDH recibió también información sobre falta de atención médica adecuada e integral para estas afectaciones, que fueron reportadas como nuevas, para las cuales no conocen tratamientos.

Guatemala, 30 a 31 de março de 2017

La Relatoría sobre los Derechos de la Niñez de la Comisión Interamericana de Derechos Humanos realizó una visita de trabajo a Guatemala los días 30 y 31 de marzo. El propósito de la visita fue dar seguimiento a la implementación de la Medida Cautelar otorgada el 12 de marzo cuya finalidad es proteger la vida e integridad personal de las niñas, niños y adolescentes que se encontraban alojados en el Hogar Seguro Virgen de la Asunción al momento del incendio que tuvo lugar el día 8 de marzo de 2017, incluyendo a aquellos que resultaron con diversas lesiones a consecuencia del incendio y aquellos que han sido trasladados del hogar a otros lugares.

La Comisión decidió dar seguimiento a las acciones adoptadas por el Estado guatemalteco para dar cumplimiento al contenido de la medida cautelar. La delegación de la CIDH recibió el testimonio de 36 niñas que sobrevivieron el trágico incendio y visitó la Escuela Alida España, donde están alojados temporalmente 110 niños y niñas con discapacidad que fueron trasladados desde el Hogar Seguro después del incendio. En consecuencia, al finalizar su visita la CIDH hizo un llamado al Estado a que promueva y apoye la reintegración de los niños, niñas y adolescentes que siguen en el Hogar Seguro y en otras instalaciones a sus familias; que continúe con las investigaciones sobre los hechos y determine responsabilidades; que proceda a revisar toda la legislación para hacer una reforma sustantiva a la protección de la niñez y al sistema nacional de garantía integral de los derechos de los niños, niñas y adolescentes; y que articule todas las instituciones estatales y dé participación a la sociedad civil, para responder a la situación y para promover un cambio estructural que asegure mejores condiciones de protección de los derechos de la niñez guatemalteca.

Peru, 24 de fevereiro de 2017

La Relatoría sobre los Derechos de las Personas Privadas de Libertad de la Comisión Interamericana de Derechos Humanos realizó una visita de trabajo a Perú el 24 de febrero de 2017. El objeto principal de la visita fue analizar los principales avances y desafíos que enfrenta el Estado peruano para reducir el uso de la prisión preventiva. La delegación estuvo integrada por el Presidente de la Comisión y Relator sobre los Derechos de las Personas Privadas de Libertad, Comisionado James Cavallaro, y por personal de la Secretaría Ejecutiva. La Relatoría de la CIDH celebró, en conjunto con el Ministerio de Justicia y Derechos Humanos, un conversatorio sobre las medidas que ha adoptado el Estado peruano a fin de reducir la prisión preventiva, que contó con la participación de integrantes de diversas instituciones estatales, sociedad civil y academia.



2015

México, 28 de setembro a 2 de outubro de 2015

A CIDH realizou uma visita in loco ao México de 28 de setembro a 2 de outubro. A CIDH constatou a grave crise de direitos humanos que o México vive, caracterizada por uma situação extrema de insegurança e violência; graves violações, em especial desaparecimentos forçados, execuções extrajudiciais e tortura; níveis críticos de impunidade e uma atenção inadequada e insuficiente às vítimas e familiares. O efeito da violência e das violações aos direitos fundamentais é especialmente grave e desproporcional sobre pessoas em situação de pobreza, migrantes, solicitantes de asilo, refugiados e deslocados internos, mulheres, crianças e adolescentes, defensoras e defensores de direitos humanos, jornalistas, povos indígenas, lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBTI), entre outros. A violência contra familiares de vítimas, defensores e defensoras de direitos humanos e jornalistas é exercida com o objetivo de silenciar as denúncias e reivindicações de verdade e justiça e perpetuar a impunidade para as graves violações aos direitos humanos. A violência e o amedrontamento buscam calar as vozes de que o México mais necessita.

A CIDH constatou uma profunda brecha entre a estrutura legislativa e judicial e a realidade cotidiana vivida por milhões de pessoas no país. Uma e outra vez, em todo o país, a CIDH escutou das vítimas que a aplicação da justiça é uma ?simulação?. Em consequência, a CIDH assinalou ao finalizar sua visita que é preciso resolver as causas estruturais da falta de acesso à justiça no México, como a infiltração de grupos do crime organizado em muitas polícias dos diferentes níveis de governo, especialmente no nível municipal, assim como agências de aplicação da justiça. A CIDH considera fundamental fortalecer e consolidar a independência judicial no México.

Colômbia, 10 a 12 de setembro de 2015

A CIDH realizou uma visita à fronteira da Colômbia com a Venezuela de 10 a 12 de setembro de 2015. O propósito da visita foi monitorar a situação dos direitos humanos das pessoas migrantes, refugiados e solicitantes de asilo de nacionalidade colombiana que foram deportados ou que retornaram à Colômbia, após o encerramento do principal ponto de cruzamento da fronteira entre San Antonio, Estado de Táchira, Venezuela, e Cúcuta, departamento do Norte de Santander, Colômbia, em 19 de agosto de 2015 e a declaração do estado de exceção por parte do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em 21 de agosto de 2015. Em conformidade com as normas que regem seu mandato, a CIDH solicitou aos Estados da Colômbia e da Venezuela a anuência pertinente e recebeu a resposta afirmativa da Colômbia, fato pelo qual a visita somente pôde ser realizada nesse país.

A CIDH pôde constatar a crise humanitária em que se encontram as pessoas deportadas e as que retornaram como consequência do temor e da situação que estavam vivendo na Venezuela. A Comissão recebeu informação preocupante sobre aforma como foram feitas as deportações da Venezuela, o que indica que foram violados múltiplos direitos humanos dessas pessoas e que foram sujeitas a expulsões coletivas. Nesse contexto, a CIDH recebeu graves denúncias de violações dos direitos à liberdade, segurança e integridade da pessoa; à igualdade perante a lei; à proteção à honra, reputação pessoal e vida privada e familiar; à proteção à maternidade; à proteção da criança; à proteção da residência e trânsito; à preservação da saúde e do bem-estar; à educação; ao trabalho; à inviolabilidade do domicilio; à propriedade; à proteção contra a detenção arbitrária; à proteção judicial e ao devido processo; à proibição de expulsões coletivas; a solicitar e receber asilo; e ao princípio de não devolução (non-refoulement).

Paraguai, 19 a 22 de maio de 2015

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) realizou uma visita de trabalho ao Paraguai de 19 a 22 de maio de 2015. A visita teve como objetivo a coleta de informações para a elaboração do primeiro relatório temático sobre direitos humanos e pobreza por parte da CIDH, assim como a observação da situação geral de direitos humanos no país. Esta foi a primeira de uma série de visitas que a Comissão realizará a países da região a fim de colher informação para o relatório temático.

A delegação manteve reuniões com autoridades estatais e representantes de organizações da sociedade civil, recebendo informação detalhada de uma série de iniciativas que estariam sendo implementadas pelo Estado para a redução da pobreza e da pobreza extrema no Paraguai, como Tekoporã, Abrazo e outros. Igualmente, tomou nota das manifestações da sociedade civil no sentido de que ainda são necessárias reformas estruturais mais profundas para esse fim.



2014

Honduras, 1 a 5 de dezembro de 2014

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos realizou uma visita in loco a Honduras de 1 a 5 de dezembro de 2014, com o objetivo de monitorar a situação geral de direitos humanos no país.

A Comissão manteve reuniões com autoridades estatais, organizações da sociedade civil e outras pessoas que se aproximaram para apresentar informação sobre a situação de direitos humanos no país. Também foram realizadas visitas sem restrições a diversas regiões, incluindo La Ceiba, Tocoa, El Progreso, San Pedro Sula e Bajo Aguán, percorrendo-se centros de atenção a migrantes e crianças migrantes, comunidades garífunas e comunidades de camponeses, assim como vários centros penitenciários do país.

Chile, 24 a 26 de novembro de 2014

A Relatora sobre os Direitos dos Povos Indígenas e Relatora de país para o Chile, Comissária Rose-Marie Belle Antoine, realizou uma visita ao Chile de 24 a 26 de novembro de 2014. O objetivo principal da visita era reunir informação sobre a situação geral dos direitos humanos no país, além de realizar um exame detalhado da situação dos direitos humanos dos povos indígenas nesse país, particularmente no contexto dos projetos de desenvolvimento e investimentos e das concessões para a extração de recursos naturais.

Durante sua visita, a Relatora foi recebida pela Presidenta da República, Michelle Bachelet, entre outras autoridades estatais. A visita também incluiu reuniões com representantes de sociedade civil e reuniões de trabalho relacionadas a casos individuais com a finalidade de fazer um acompanhamento do cumprimento pelo Estado das recomendações da CIDH.

México, 6 a 14 de outubro de 2014

A Relatora sobre os Direitos das Crianças e dos Adolescentes da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), Comissária Rosa María Ortiz, realizou uma visita ao México entre 6 e 14 de outubro de 2014. A visita teve como principal objetivo o monitoramento dos direitos humanos das crianças e adolescentes no México, no nível federal e em cinco entidades federativas, com particular ênfase no acompanhamento dos Sistemas de Promoção de Direitos das Crianças, assim como a violação de seus direitos pela violência e no contexto da migração. A Relatora também enfatizou especialmente os sistemas de cuidado alternativo e a violação dos direitos das crianças de rua. A Relatora também participou de uma reunião de trabalho sobre a implementação das medidas cautelares solicitadas pela CIDH ao Estado em benefício dos 43 jovens desaparecidos na cidade de Iguala.

Durante a visita, a delegação visitou o Distrito Federal, a cidade de Cuernavaca em Morelos, a cidade de Oaxaca em Oaxaca, a cidade de Saltillo em Coahuila e as cidades de Nuevo Laredo, Reynosa e Ciudad Victoria, no estado de Tamaulipas. A Relatora se reuniu com altas autoridades dos três poderes do Estado, assim como com mais de cem organizações da sociedade civil, comissões de direitos humanos e vítimas de violações de direitos humanos e seus familiares.

Estados Unidos, 29 de setembro a 2 de outubro de 2014

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) realizou una visita à fronteira sul dos Estados Unidos da América, de 29 de setembro a 2 de outubro de 2014. A delegação foi chefiada pelo Comissário Felipe González Morais, Relator sobre os Direitos dos Migrantes e Relator de país para os Estados Unidos, e incluía a Comissária Rosa María Ortiz, Relatora sobre os Direitos da Infância.

O propósito desta visita foi monitorar a situação dos direitos humanos das crianças desacompanhadas e famílias que cruzaram a fronteira sul dos Estados Unidos, com relação à sua apreensão, detenção migratória durante longos períodos e procedimentos migratórios, assim como deportações e remoções. Durante a visita, a delegação da CIDH foi a Hidalgo, McAllen, Harlingen, Karnes City e San Antonio. A CIDH manteve reuniões com as autoridades estatais, organizações da sociedade civil, vítimas de violações de direitos humanos e os consulados de El Salvador, Guatemala e Honduras.

Colômbia, 29 de setembro a 3 de outubro de 2014

A Presidenta da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), Tracy Robinson, realizou uma visita à Colômbia, de 29 de setembro a 3 de outubro de 2014. Na qualidade de Relatora sobre os Direitos das Mulheres e Relatora sobre os Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e Intersexuais (LGBTI), a Comissária Tracy Robinson visitou as cidades de Cali, Bogotá e Cartagena. O primeiro objetivo da visita foi obter informação sobre os desafios que as mulheres enfrentam no acesso à informação em matéria de violência e discriminação para sua inclusão em um relatório regional que está sendo preparado pela Relatoria sobre os Direitos das Mulheres. O segundo objetivo constituiu em reuniões com organizações, defensores e defensoras dos direitos humanos das pessoas LGBTI a fim de receber informações sobre a situação dos direitos humanos dessas pessoas na Colômbia para sua inclusão no relatório regional que a Relatoria está preparando sobre os Direitos das Pessoas LGBTI e a situação de violência que essas pessoas vivem.

A delegação da CIDH solicitou formalmente reuniões com autoridades estatais em Cali, Bogotá e Cartagena. No entanto, informou-se à delegação que, devido à transição nas autoridades estatais encarregadas de direitos humanos, não seria possível levar a cabo tais reuniões. A delegação se reuniu com mais de 50 mulheres e organizações da sociedade civil. A delegação da CIDH organizou dois eventos em Cali, um acadêmico e o outro público, a fim de divulgar o precedente jurídico do sistema interamericano sobre os direitos das mulheres e o acesso à informação.

Uruguai, 1 a 5 de setembro de 2014

A Relatora sobre os Direitos da Infância da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), Rosa María Ortiz, realizou uma visita ao Uruguai, de 1º a 5 de setembro de 2014. O objetivo da visita foi expressar a posição desta Relatoria em relação à consulta plebiscitária levada a cabo no mês de outubro de 2014, que propõe uma reforma constitucional para baixar a idade de imputabilidade penal de 18 anos para 16 anos.

Durante a sua visita, a Relatora foi recebida pelo Presidente da República, José Mujica Cordano, entre outras autoridades, familiares de adolescentes infratores privados de liberdade e organizações da sociedade civil.

Paraguai, 25 a 29 de agosto de 2014

A Relatoria sobre os Direitos das Pessoas Privadas de Liberdade da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) realizou uma visita de trabalho ao Paraguai de 25 a 29 de agosto de 2014. A delegação foi chefiada pelo Comissário James Cavallaro na qualidade de Relator sobre os Direitos das Pessoas Privadas de Liberdade. O objetivo da visita foi verificar a situação geral do sistema penitenciário paraguaio, identificar suas principais deficiências e emitir recomendações ao Estado.

A delegação da CIDH se reuniu com o Vice-Ministro das Relações Exteriores, a Ministra da Justiça e a Ministra da Defesa Pública, entre outras autoridades estatais, e familiares de pessoas privadas de liberdade. Além disso, a delegação visitou centros de detenção.

Estados Unidos, 7 a 10 de abril de 2014

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) realizou uma visita a Nova York, Estados Unidos, de 7 a 10. A delegação foi chefiada pela Relatora da CIDH para os Direitos das Crianças, Rosa María Ortiz, e por advogados da Secretaria Executiva da CIDH pertencentes às Relatorias sobre os Direitos das Crianças e sobre os Direitos das Pessoas Privadas de Liberdade. A delegação manteve contato com autoridades estatais em Albany, incluindo o Comissário em exercício do Departamento Correcional de Nova York, Anthony Annucci, e o Presidente do Comitê de Correcional da Assembleia do Estado, Danny O?Donnell, e recebeu as boas-vindas oficiais por parte da Assembleia do Estado de Nova York. A delegação se reuniu com autoridades da cidade de Nova York, incluindo a Sra. Bryanne Hamill, membro da Junta Correcional da cidade, e sua Diretora Executiva, Cathy Potler. Também recebeu informação do Comissário Adjunto do Serviço de Saúde Correcional, Homer Venters. A delegação visitou o complexo penitenciário Robert N. Davoren (RNDC) na Ilha Rikers, na cidade de Nova York. A Relatora foi recebida pelo Comissário do Departamento Correcional da cidade, Joseph Ponte, e pelo Diretor do complexo, James Perrino, pelo Diretor Adjunto de Planejamento Estratégico e pelo Diretor de Educação desse centro penal, assim como outras autoridades de alto nível do Departamento Correcional da cidade e do gabinete do Prefeito de Nova York.



2013

República Dominicana, 2 a 6 de dezembro de 2013

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos realizou uma visita à República Dominicana de 2 a 6 de dezembro de 2013, atendendo ao convite do Estado da República Dominicana. Esta foi a sétima visita da CIDH à República Dominicana.

O objeto da visita da Comissão era analisar a situação dos direitos humanos na República Dominicana no que se refere aos direitos à nacionalidade, à identidade, à igualdade e não discriminação, assim como outros direitos e problemáticas relacionadas. A Comissão Interamericana reuniu-se com autoridades governamentais, bem como com representantes de diferentes setores da sociedade civil, tanto em Santo Domingo como em outras províncias no interior do país, com o intuito de conhecer em maior profundidade os desafios e avanços em matéria de direitos humanos e receber denúncias.

Guatemala, 21 a 30 de agosto de 2013

A Relatoria sobre os Direitos dos Povos Indígenas da CIDH realizou uma visita de trabalho à Guatemala entre 21 e 30 de agosto de 2013. O objetivo da visita era recolher informações sobre a situação dos povos indígenas na Guatemala, com particular ênfase na discriminação e exclusão dos povos indígenas, assim como na situação de suas terras, territórios e recursos naturais, e o direito à consulta prévia, livre e informada. A delegação foi chefiada pela Relatora sobre os Direitos dos Povos Indígenas, Comissária Dinah Shelton.

"Pudemos constatar que o racismo e a discriminação contra os povos indígenas persiste na Guatemala, mas também que o governo iniciou vários novos programas para atender essa situação. Infelizmente, persiste uma incidência desproporcional da pobreza, pobreza extrema e desnutrição infantil na população indígena rural", indicou a Relatora, Dinah Shelton. "Também é alarmante que todas as licenças vigentes para exploração de minas e instalações hidrelétricas tenham sido outorgadas sem a consulta prévia, livre e informada a que o Estado está obrigado pelos tratados internacionais assinados pela Guatemala", acrescentou a Relatora.

 
 

Canadá, 6 a 9 de agosto de 2013

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos realizou uma visita de trabalho ao Canadá entre 6 e 9 de agosto de 2013 a fim de examinar o desaparecimento e assassinato de mulheres indígenas na Colúmbia Britânica. A delegação esteve integrada pela Comissária Dinah Shelton, Relatora sobre os Direitos dos Povos Indígenas, Comissária Tracy Robinson, Primeira Vice-Presidente e Relatora sobre os Direitos das Mulheres, e funcionárias da Secretaria Executiva. A visita começou em Ottawa e continuou na Colúmbia Britânica, especificamente em Vancouver e Prince George. A delegação recebeu informação e testemunhos de familiares de meninas e mulheres indígenas desaparecidas e assassinadas. Em Ottawa, a delegação se reuniu com autoridades do Governo Federal e com organizações e representantes da sociedade civil, incluindo organizações e líderes indígenas. Na Colúmbia Britânica, a delegação se reuniu com autoridades do Governo Provincial, com representantes do Poder Legislativo e com organizações e representantes da sociedade civil, incluindo organizações, autoridades e líderes indígenas.

Honduras, 14 a 18 de maio de 2013

Entre 14 e 18 de maio de 2013, a Relatora para Honduras, Comissária Tracy Robinson, e o Secretário Executivo, Emilio Alvarez Icaza Longoria, visitaram Honduras no âmbito de sua participação como relatores na III Assembleia da Rede Latino-Americana e do Caribe para a Democracia (REDLAD). A delegação, composta pela Relatora, o Secretário Executivo e uma funcionária da Secretaria Executiva, se reuniu com autoridades estatais, com representantes de organizações da sociedade civil, incluindo organizações de mulheres, e com representantes de organismos internacionais e regionais. Além disso, se reuniu com mulheres indígenas líderes de diversas partes do país. Foram organizadas duas reuniões de casos em solução amistosa e três reuniões de acompanhamento de medidas cautelares.

Argentina, 9 a 13 de maio de 2013

Uma delegação da Secretaria Executiva da CIDH realizou uma visita à Argentina entre 9 e 13 de maio de 2013. O objetivo era elaborar um diagnóstico sobre o cumprimento das recomendações da CIDH contidas no Relatório de Mérito Nº 2/12 sobre o caso das Comunidades Indígenas membros da Associação Lhaka Honhat da Argentina, aprovado em 26 de janeiro de 2012. Na oportunidade, a delegação se reuniu na cidade de Salta com representantes do Governo da Província de Salta; deslocou-se para o município de Santa Victoria do Leste para se reunir com os líderes indígenas da Associação Lhaka Honhat e visitar o território indígena; e manteve reuniões em Buenos Aires com autoridades do Governo Nacional. As partes indicaram que a visita serviu para abrir espaços de diálogo e incentivar o cumprimento das recomendações por parte do Estado argentino.

Suriname, 23 a 25 de janeiro de 2013

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos realizou uma visita a trabalho ao Suriname entre 23 e 25 de Janeiro de 2013 a fim de examinar a situação dos direitos das mulheres e dos povos indígenas. A delegação foi composta pela Comissionada Dinah Shelton, Relatora sobre os Direitos dos Povos Indígenas; Comissionada Tracy Robinson, Primeira Vice-Presidente e Relatora sobre os Direitos das Mulheres; e funcionários da Secretaria Executiva.

Durante a visita, a delegação realizou reuniões com as mais altas autoridades do Suriname, e representantes de organizações da sociedade civil dedicadas a defesa dos direitos dos povos indígenas, das mulheres e das pessoas LGBTI no país. Diversos membros da delegação também viajaram ao distrito de Brokopondo e à aldeia de Brownsweg para visitar uma comunidade Maroon composta por 8,000 pessoas. A delegação ofereceu um workshop sobre o Sistema Interamericano de Direitos Humanos, do qual participaram cerca de cinquenta oficiais do governo, e um evento acadêmico na Universidade Anton de Kom, com a participação de professores e estudantes de direito.



2012

Colômbia, 3 a 7 de dezembro de 2012

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) realizó una visita in loco a Colombia entre el 3 y el 7 de diciembre de 2012, en atención a una invitación del Estado, a fin de observar la situación de los derechos humanos en el país. La delegación estuvo integrada por el Presidente, José de Jesús Orozco Henríquez; la Primera Vicepresidenta, Tracy Robinson; el Segundo Vicepresidente, Felipe González; y las miembros Rosa María Ortiz y Rose Marie Antoine, así como el Secretario Ejecutivo, Emilio Álvarez Icaza L., la Secretaria Ejecutiva Adjunta, Elizabeth Abi-Mershed, y personal de la Secretaría Ejecutiva. Durante la visita, diversas delegaciones de la CIDH visitaron Bogotá, D.C., Quibdó (Chocó), Medellín (Antioquia) y Popayán (Cauca), donde se reunieron con autoridades del Estado, organizaciones de la sociedad civil, víctimas de violaciones a los derechos humanos y representantes de agencias internacionales.

Haiti, 27 de fevereiro a 2 de março de 2012

La Comisionada Ortiz, en su calidad de Relatora sobre los Derechos de la Niñez, fue invitada por UNICEF para participar, junto al Presidente del Comité de los Derechos del Niño de Naciones Unidas, a una visita de observación sobre la temática de las adopciones internacionales en Haití. Dicha visita tuvo lugar los días 27 y 28 de febrero. Asimismo, del 29 de febrero al 2 de marzo la Comisionada Ortiz, en su calidad de Relatora para Haití, junto con personal de la Secretaría Ejecutiva, sostuvo reuniones con autoridades, organismos internacionales y sociedad civil, en las cuales se presentó como nueva Relatora y recogió información sobre diversas temáticas.



2011

México, 26 a 30 de setembro de 2011

El Relator para México, Comisionado Rodrigo Escobar Gil, llevó a cabo una visita de trabajo a México entre el 26 y el 30 de septiembre de 2011. Durante la visita la delegación sostuvo reuniones con altas autoridades del Estado, incluyendo al Presidente de la República, Felipe Calderón Hinojosa, y con organizaciones de la sociedad civil. Asimismo, se llevaron a cabo varias reuniones de trabajo sobre casos y medidas cautelares.

Paraguai, 1 a 5 de agosto de 2011

A Presidenta e o Primeiro Vice-Presidente da CIDH, na qualidade de Relatora sobre os Direitos dos Povos Indígenas e Relator para o Paraguai, respectivamente, realizaram uma visita ao Paraguai de 1º a 5 de agosto de 2011. A visita teve por objetivo realizar atividades de promoção, impulsionar o cumprimento de decisões da Comissão Interamericana e da Corte Americana de Direitos Humanos e promover a utilização do mecanismo de solução amistosa para a resolução de petições e casos em trâmite. A delegação aproveitou sua presença no país para aprofundar seu conhecimento sobre a situação de direitos humanos no Paraguai. Para tanto, a Comissão se reuniu com altas autoridades dos poderes públicos do Estado, assim como com representantes de organizações da sociedade civil. Durante a visita realizou-se um importante número de reuniões de trabalho entre as partes sobre petições e casos pendentes na CIDH, nas quais se alcançaram importantes resultados. Nas reuniões de cinco dos casos foram celebrados acordos e em outros dois casos assinaram-se atas nas quais as partes ratificaram sua vontade de avançar nos procedimentos para alcançar uma solução amistosa.

México, 25 de julho a 2 de agosto de 2011

O Relator para o México, Comissário Rodrigo Escobar Gil, efetuou uma visita de trabalho ao México entre 26 e 30 de setembro de 2011. Durante a visita a delegação manteve reuniões com altas autoridades do Estado, incluindo o Presidente da República, Felipe Calderón Hinojosa, e com organizações da sociedade civil. Também foram realizadas várias reuniões de trabalho sobre casos e medidas cautelares.

Argentina, 25 a 27 de abril de 2011

A Relatora para a Argentina, Comissária Luz Patricia Mejía, realizou uma visita de trabalho à Argentina de 25 a 27 de abril. A visita teve por objetivo impulsionar o cumprimento de acordos de solução amistosa e de recomendações da CIDH, para o que a Relatora se reuniu com altas autoridades dos Poderes Públicos Nacionais e Provinciais, além de representantes da sociedade civil. A Relatora impulsionou o cumprimento de outras recomendações de caráter legislativo, como o anteprojeto do novo Código de Processo Penal e o da Lei sobre princípios mínimos em matéria de dupla instância, e a adequação do regime de justiça penal juvenil aos instrumentos internacionais nessa matéria. Adicionalmente, em 28 de abril de 2011, a Relatora participou da Reunião de Alto Nível sobre a Agenda dos Direitos Humanos no Século XXI, organizada pelo Centro Internacional para a Promoção dos Direitos Humanos do Ministério de Justiça e Direitos Humanos da Nação.



2010

Argentina, 2 a 3 de dezembro de 2010

Nos dias 2 e 3 de dezembro de 2010, a Comissária Luz Patricia Mejía Guerrero realizou uma visita à Argentina, na qualidade de Relatora para a Argentina, quando se reuniu com autoridades do Governo e representantes de organizações da sociedade civil.

Brasil, 28 de junho a 2 de julho de 2010

O Presidente da CIDH e Relator para o Brasil, Comissário Felipe González, realizou uma visita de trabalho à República Federativa do Brasil, de 28 de junho a 2 de julho de 2010. Durante a visita o Comissário contou com o apoio de dois advogados da Secretaria Executiva da CIDH. A visita esteve destinada principalmente a servir como preparação para uma eventual visita de observação que a CIDH pretende realizar ao Brasil, assim como receber informação atualizada sobre a situação geral de direitos humanos no Brasil, particularmente a respeito da segurança cidadã, e avançar na solução de casos e medidas cautelares.

A visita teve início em Brasília, onde se realizaram reuniões com altas autoridades do Governo Federal e com a sociedade civil. Posteriormente, a delegação se transferiu para a cidade do Rio de Janeiro, a fim de levar a cabo várias reuniões de trabalho sobre medidas cautelares e soluções amistosas de casos em trâmite na CIDH, com presença dos peticionários e das autoridades federais e locais respectivas. Além disso, realizou-se uma reunião com ampla participação de organizações da sociedade civil e depois várias entrevistas com autoridades de segurança pública e direitos humanos. A visita concluiu na cidade de São Paulo, onde igualmente foram realizadas reuniões sobre medidas cautelares e soluções amistosas na presença das respectivas partes, além de uma ampla reunião com a sociedade civil e uma reunião com o Governador do Estado e com autoridades estaduais de segurança pública e administração penitenciária.

Honduras, 15 a 18 de maio de 2010

A visita da CIDH a Honduras em maio de 2010 teve como fim dar seguimento à visita efetuada em agosto de 2009. A delegação esteve composta pelo Presidente da CIDH, Felipe González, o Primeiro Vice-Presidente, Paulo Sergio Pinheiro, o Secretário Executivo, Santiago A. Canton, a Relatora Especial para a Liberdade de Expressão da CIDH, Catalina Botero, a Coordenadora de Mesoamérica e Caribe de Língua Espanhola, Isabel Madariaga, o advogado da Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão, Ramiro Álvarez-Ugarte, e a técnica em documentos Gloria Hansen.

Durante a visita, a CIDH se reuniu com autoridades dos três poderes do Estado. Além disso, manteve reuniões com defensores e defensoras de direitos humanos, comunicadores sociais, representantes da sociedade civil e membros da Comissão da Verdade e Reconciliação. Também se reuniu com representantes do sistema das Nações Unidas em Honduras e com embaixadores do Grupo de Acompanhamento da Declaração de Estocolmo. Após a visita, a CIDH publicou as Observações Preliminares da Comissão Interamericana de Direitos Humanos sobre sua Visita a Honduras realizada de 15 a 18 de maio de 2010 .

Argentina, 15 a 17 de fevereiro de 2010

A Comissária Luz Patricia Mejía realizou uma visita de trabalho à Argentina de 15 a 17 de fevereiro de 2010, na qualidade de Relatora para Argentina. A visita teve por objetivo impulsionar o cumprimento de acordos de solução amistosa e de recomendações da CIDH, para o que a Relatora Mejía Guerrero reuniu-se com altas autoridades dos Poderes Públicos Nacionais e Provinciais, assim como com representantes de organizações da sociedade civil.



2009

Honduras, 17 a 21 de agosto de 2009

A CIDH realizou uma visita a Honduras de 17 a 21 de agosto de 2009. A delegação esteve composta pela Presidenta, Luz Patricia Mejía Guerrero, o Primeiro Vice-Presidente, Víctor Abramovich, o Segundo Vice-Presidente e Relator para Honduras, Felipe González, o Comissário Paolo Carozza e o Secretário Executivo, Santiago A. Canton. Também fizeram parte da delegação a Relatora Especial para a Liberdade de Expressão, Catalina Botero, os advogados da Secretaria Executiva Isabel Madariaga, Víctor Madrigal, Débora Benchoam, Milagros Noli e Tatiana Gos, a diretora de imprensa, María Isabel Rivero, o jornalista Pablo Sandino Martínez e as assistentes Gloria Hansen e Gloria Amanda Molina.

Considerando o propósito e as circunstâncias da visita, a CIDH elaborou a agenda para receber informação de todos os setores da sociedade hondurenha, com uma visão pluralista que permitisse analisar o impacto do golpe de Estado sobre a vigência dos direitos humanos.

Durante a visita, a CIDH recebeu 460 testemunhos e denúncias, 29 solicitações de medidas cautelares e 88 documentos sobre a situação no país. Do número total de testemunhos e denúncias, mais de 300 pessoas denunciaram agressões e detenções ilegais no âmbito de manifestações a favor do retorno do Presidente Zelaya. Durante toda a semana da visita, a CIDH manteve um escritório para receber denúncias.

Em 21 de agosto de 2009, no dia da finalização da visita, a CIDH emitiu o comunicado de imprensa 60/09 com observações preliminares da visita e ofereceu uma coletiva em Tegucigalpa. Em 30 de dezembro de 2009, a CIDH aprovou o relatório Honduras: Direitos Humanos e Golpe de Estado , publicado em 20 de janeiro de 2010 .

Haiti, 24 a 29 de maio de 2009

A CIDH realizou uma visita de trabalho ao Haiti de 24 a 29 de maio de 2009. A delegação esteve chefiada pelo Comissário Clare K. Roberts na qualidade de Relator da CIDH para o Haiti e integrada pelas especialistas em direitos humanos Angelita Baeyens e Marie Claude Fournier, assim como por Begoña Arellano, do UNICEF. O objetivo principal da visita era reunir informação sobre segurança cidadã, a situação dos direitos humanos e a justiça juvenil. Esta visita foi organizada no contexto de um trabalho conjunto do UNICEF, do escritório regional da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos e da CIDH, para a preparação de relatórios especiais sobre esses temas.

Em Porto Príncipe a delegação se reuniu com representantes do Ministério de Assuntos Exteriores, Ministério de Assuntos Sociais e do Trabalho, Instituto de Bem-Estar Social e Pesquisa (IBESR), a Divisão de Proteção de Menores da Polícia Nacional do Haiti, a Direção Central da Polícia Judicial, a Administração Penitenciária, pessoal das prisões e o Escritório de Proteção ao Cidadão. A delegação também se reuniu com dois membros do Tribunal para Menores. A delegação visitou o escritório central da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH). Também reuniu-se com organizações não governamentais locais e internacionais que trabalham com segurança cidadã e justiça penal juvenil no Haiti. Adicionalmente, a delegação participou de uma conferência sobre a CIDH e o sistema interamericano de proteção dos direitos humanos na Universidade do Estado em Porto Príncipe.

Em 29 de junho de 2009, a CIDH publicou um comunicado de imprensa sobre a visita ao Haiti.



2008

Jamaica, 1 a 5 de dezembro de 2008

A delegação da CIDH que realizou uma visita à Jamaica em dezembro de 2008 esteve integrada pelo Presidente, Paolo Carozza, a Primeira Vice-Presidente, Luz Patricia Mejía, o Segundo Vice-Presidente, Felipe González, e o Comissário Sir Clare K. Roberts, assim como o Secretário Executivo da Comissão Interamericana, Santiago A. Canton, a Secretária Executiva Adjunta, Elizabeth Abi-Mershed, os advogados Mario López-Garelli, Angelita Baeyens e Ismene Zarifis, a Diretora de Imprensa, María Isabel Rivero, e as assistentes Gloria Hansen e Melanie Blackwell.

Durante a visita, a Comissão se reuniu com representantes do governo da Jamaica e membros da sociedade civil. A CIDH organizou uma atividade promocional juntamente com o Ministério da Justiça e Jamaicans for Justice e assinou um acordo com a Norman Manley Law School que busca aprofundar e fortalecer a cooperação institucional a fim de promover o conhecimento do sistema interamericano de direitos humanos no Caribe. Ao finalizar a visita, a Comissão emitiu suas observações preliminares sobre a mesma. A CIDH está atualmente elaborando um relatório sobre a situação dos direitos humanos na Jamaica.



2007

Haiti, 16 a 20 de abril de 2007

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos realizou uma visita à República do Haiti em abril de 2007, a convite do governo. A delegação, dirigida por Clare K. Roberts, Comissário e Relator para o Haiti, incluiu funcionários da Secretaria Executiva.

Durante a visita, a CIDH se reuniu com representantes do governo haitiano e com membros da sociedade civil, assim como com representantes de organizações internacionais. A Comissão reuniu-se com o Presidente da República do Haiti, René Préval, e o Primeiro-Ministro, Jacques Edouard Alexis. Além disso, encontrou-se com o Presidente da Corte Suprema.

Ao finalizar a visita, a CIDH emitiu o Comunicado de Imprensarensa 24/07 .



2006

Bolívia, 12 a 17 de novembro de 2006

Após um convite do governo, a Comissão realizou uma visita à República da Bolívia entre 12 e 17 de novembro de 2006 com o fim de observar a situação geral dos direitos humanos nesse país. A delegação da Comissão esteve integrada pelo Presidente, Evelio Fernández Arévalos, o Segundo Vice-Presidente e Relator para Bolívia, Florentín Meléndez, o Comissário Víctor Abramovich, o Secretário Executivo, Santiago A. Canton, os especialistas em direitos humanos Débora Benchoam, Silvia Serrano e Leonardo Hidaka e a técnica em documentos Gloria Hansen.

Durante sua estadia na Bolívia, a Comissão se reuniu com autoridades estatais e realizou encontros com diversos setores da sociedade civil, como representantes de organizações de direitos dos povos indígenas, de direitos da mulher, de direitos das crianças, representantes de organizações camponesas, de organizações dedicadas aos direitos das pessoas privadas de liberdade, de organizações dedicadas ao fortalecimento da administração de justiça, jornalistas e sindicalistas.

Ao finalizar a visita, a CIDH emitiu o Comunicado de Imprensa 46/06 . Em 28 de junho de 2007, a CIDH aprovou o relatório Acesso à Justiça e Inclusão Social: o Caminho Para o Fortalecimento da Democracia na Bolívia , publicado em 7 de agosto de 2007 . Em seu relatório anual de 2009, a CIDH publicou um Relatório de Acompanhamento, no qual se analisa o cumprimento das recomendações do relatório por parte do Estado.



2004

Haiti, 1 de setembro de 2004 a 15 de julho de 2005

Durante 2004 e 2005, a CIDH realizou três visitas ao Haiti a convite do Governo e com o apoio financeiro do Governo da França: a primeira de 1º a 3 de setembro de 2004 ; a segunda de 18 a 22 de abril de 2005 ; e a terceira de 11 a 15 de julho de 2005 . Nessas visitas, as delegações da Comissão procuraram obter informação sobre a situação dos mecanismos de proteção dos direitos humanos no Haiti após os acontecimentos de fevereiro de 2004, assim como a situação especial da administração de justiça no país. A Comissão havia visitado o Haiti de 18 a 22 de agosto de 2003 a convite do Estado.

As delegações da CIDH se reuniram com representantes do Governo de Transição, o Conselho de Notáveis, Juízes do Tribunal de Primeira Instância, do Tribunal de Apelações e da Corte Suprema, membros da sociedade civil, associações de juízes, advogados e magistrados e representantes de outros organismos internacionais, incluindo a MINUSTAH e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, visitaram a Penitenciária Nacional e outros estabelecimentos pertinentes e reuniram documentação apropriada. Durante essas visitas a Comissão realizou também três seminários de capacitação sobre o sistema interamericano de direitos humanos com autoridades e funcionários de diversos ministérios e organismos governamentais e representantes de diversas organizações não governamentais.

As observações realizadas durante estas visitas foram incluídas no relatório Haiti: Justiça Frustrada ou Estado de Direito? Desafios para o Haiti e a Comunidade Internacional .



2003

Haiti, 18 a 22 de agosto de 2003

El 22 de agosto de 2003 culminó una visita de la Comisión a Haití, que se realizó a invitación del Gobierno a fin de observar la situación de los derechos humanos. La delegación estuvo integrada por la Presidenta de la CIDH, Comisionada Marta Altolaguirre; el Segundo Vicepresidente de la CIDH y Relator para Haití, Comisionado Clare Kamau Roberts. Fueron acompañados por Mario López Garelli y Bernard Duhaime, abogados especialistas en derechos humanos de la Secretaría Ejecutiva de la CIDH. Durante la visita, la Comisión se reunió con las más altas autoridades del Gobierno haitiano, incluyendo al primer ministro Yvon Neptune, así como con miembros de la sociedad civil y representantes de autoridades locales. La visita se realizó en las ciudades de Port-au Prince, Cap Haitian y Gonaïves y se centró particularmente en la administración de justicia, el régimen de derecho y la impunidad.

El 22 de agosto, la Comisión publicó el comunicado de prensa 24/03 sobre la visita a Haití.

Guatemala, 24 a 29 de março de 2003

Após um convite do Governo guatemalteco, a Comissão realizou uma visita à República da Guatemala entre 24 e 29 de março de 2003. A delegação da CIDH para esta visita foi integrada pelo Primeiro Vice-Presidente, José Zalaquett, o Segundo Vice-Presidente, Clare K. Roberts, a Comissária e Relatora para Guatemala Susana Villarán, os Comissários Juan E. Méndez e Julio Prado Vallejo, o Secretário Executivo, Santiago A. Canton, e pessoal da Secretaria Executiva.

Durante sua visita, a CIDH se reuniu com autoridades dos poderes do Estado e com representantes da sociedade civil. A CIDH recebeu testemunho de vítimas de violações aos direitos humanos e uma delegação transferiu-se para Nebaj, departamento de Quiché. A Comissão recebeu pessoas que desejavam formular denúncias sobre supostas violações aos direitos humanos ou receber informação sobre o funcionamento do sistema interamericano de proteção dos direitos humanos.

Ao finalizar a visita, a CIDH publicou suas observações preliminares sobre a visita no Comunicado de Imprensa 8/03 . Em 29 de dezembro de 2003, a CIDH aprovou o relatório Justiça e Inclusão Social: Os Desafios da Democracia na Guatemala , que foi entregue ao Presidente Oscar Berger em 22 de março de 2004 no Palácio Nacional. Em seu relatório anual correspondente a 2004, a CIDH publicou um Relatório de Acompanhamento sobre o cumprimento das recomendações desse relatório por parte do Estado.



2002

Venezuela, 6 a 10 de maio de 2002

Em maio de 2002 a Comissão efetuou uma visita à República Bolivariana da Venezuela que contou com a participação do Presidente da Comissão e Relator para os assuntos da Venezuela, Juan E. Méndez, a Primeira Vice-Presidente, Marta Altolaguirre, e os Comissários Robert K. Goldman, Julio Prado Vallejo e Susana Villarán. Também participaram da visita o Secretário Executivo, Santiago A. Canton, o Relator para a Liberdade de Expressão, Eduardo Bertoni, e pessoal da Secretaria Executiva.

Durante a sua visita a CIDH reuniu-se com autoridades dos poderes do Estado, incluindo o Presidente da República, Hugo Chávez Frías. A CIDH se reuniu também com as mais altas autoridades da Assembleia Nacional, da Comissão de Justiça e Direitos Humanos e do Tribunal Supremo de Justiça. Também se reuniu com organizações não governamentais de direitos humanos, representantes da Conferência Episcopal Venezuelana, dirigentes políticos, jornalistas e representantes de meios de comunicação social, representantes de associações sindicais, vítimas e familiares de vítimas e outros representantes da sociedade civil no âmbito nacional e local. A CIDH manteve contato com organismos internacionais e recebeu informação e testemunhos sobre a situação em todas as regiões do país, em especial o Estado de Portuguesa, para onde se dirigiu uma delegação.

Em 24 de outubro de 2003, a CIDH aprovou o Relatório Sobre a Situação dos Direitos Humanos na Venezuela, cuja publicação foi anunciada mediante o Comunicado de Imprensa 9/04 .



2001

Colômbia, 7 a 13 de dezembro de 2001

A CIDH realizou uma visita à Colômbia de 7 a 13 de dezembro de 2001, a convite do Governo do Presidente Andrés Pastrana. A delegação foi integrada pelo Presidente da CIDH, Claudio Grossman, o Primeiro Vice-Presidente, Juan E. Méndez, a Segunda Vice-Presidente, Marta Altolaguirre, e os Comissários Robert K. Goldman, Hélio Bicudo, Peter Laurie e Julio Prado Vallejo, assim como pelo Secretário Executivo e Relator para a Liberdade de Expressão, Santiago A. Canton, os especialistas em direitos humanos Verónica Gómez, Mario López-Garelli e Ignacio Alvarez, a especialista em documentação Gloria Hansen e as assistentes administrativas Gabriela Hageman e Gloria Molina. A delegação da CIDH foi também acompanhada pela advogada Débora Benchoam e a jornalista Victoria Amato, do Escritório da Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão.

Durante a visita a CIDH reuniu-se com autoridades dos três poderes do Estado, incluindo o Presidente Andrés Pastrana Arango, e manteve reuniões com organizações não governamentais de direitos humanos, representantes eclesiásticos, dirigentes políticos, jornalistas e representantes de meios de comunicação social, representantes de associações camponesas, étnicas e de mulheres, sindicalistas e outros representantes da sociedade civil nos níveis nacional e local. A CIDH manteve contato com organismos internacionais, como o Escritório da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUR) e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha. Também recebeu informação e testemunhos sobre a situação em todas as regiões do país, em especial as de Cundinamarca, Antioquia, Magdalena Medio, Arauca, Valle, Cauca, Putumayo, Nariño, Tolima e Catatumbo. O plenário da Comissão se reuniu com os candidatos presidenciais Luis Eduardo Garzón, Horacio Serpa Uribe e Alvaro Uribe Vélez.

Ao finalizar a visita, em 13 de dezembro de 2001, a CIDH emitiu um comunicado de imprensa .



2000

Haiti, 21 a 25 de agosto de 2000

Em 25 de agosto de 2000 a CIDH concluiu sua visita ao Haiti, a convite do Governo, com o objetivo de observar a situação dos direitos humanos. Participaram da visita o Presidente da Comissão, Hélio Bicudo, e os Comissários Peter Laurie e Julio Prado Vallejo, assim como o Secretário Executivo, Jorge E. Taiana, o Secretário Executivo Adjunto, David J. Padilla, e as advogadas Bertha Santoscoy e Raquel Poitevien Cabral.

No Comunicado de Imprensa 11/00 , emitido ao final da visita, a CIDH destacou as dramáticas circunstâncias nas quais se desenvolvia a vida cotidiana da sociedade haitiana, a deficiência crônica das instituições estatais e o desafio que o Haiti enfrentava para obter a vigência efetiva dos direitos humanos.



1999

Paraguai, 28 a 30 de julho de 1999

Na visita ao Paraguai realizada em julho de 1999 participaram o Presidente da CIDH, Robert K. Goldman, o Primeiro Vice-Presidente, Helio Bicudo, o Segundo Vice-Presidente, Claudio Grossman, e os Comissários Carlos Ayala Corao e Álvaro Tirado Mejía, assim como o Secretário Executivo, Jorge E. Taiana, o Secretário Executivo Adjunto, David J. Padilla, o Relator Especial da CIDH para a Liberdade de Expressão, Santiago Canton, e os advogados Ignacio J. Álvarez e Christina M. Cerna.

Durante a visita, a CIDH se reuniu com autoridades do Poder Executivo, com o Presidente da República, Luis Ángel González Macchi, representantes do Poder Judiciário e do Poder Legislativo e setores da sociedade civil, como organizações de direitos humanos, representantes da Igreja, grupos de camponeses e de comunidades indígenas, dirigentes sindicais, supostas vítimas de violações aos direitos humanos e outros. A Comissão visitou também vários centros penitenciários e se dirigiu a diferentes regiões do país.

Ao finalizar a visita, a CIDH emitiu o Comunicado de Imprensa 23/99 . Em 9 de março de 2001, a CIDH aprovou o Terceiro Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no Paraguai , cuja publicação em 21 de março de 2001 foi anunciada através do Comunicado de Imprensa 5/01 . Em seu relatório anual correspondente a 2001, a CIDH publicou um Relatório de Acompanhamento sobre o cumprimento das recomendações desse relatório por parte do Estado.



1998

Peru, 9 a 13 de novembro de 1998

A delegação da Comissão que visitou o Peru de 9 a 13 de novembro de 1998 esteve integrada pelo Presidente, Carlos Ayala Corao, o Primeiro Vice-Presidente, Robert K. Goldman, o Segundo Vice-Presidente, Jean Joseph Exumé, o Comissário e Relator para o Peru, Hélio Bicudo, e os Comissários Claudio Grossman e Álvaro Tirado Mejía. Também fizeram parte da delegação o Secretário Executivo, Jorge E. Taiana, o Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, o Relator para a Liberdade de Expressão, Santiago Canton, e os advogados Christina M. Cerna e Ignacio Álvarez. A Comissão contou também com o apoio administrativo de Nora Anderson, Olga de Franco e Ana Cecilia Adriazola.

Durante a visita, a CIDH se reuniu com o Presidente da República, Alberto Fujimori, e com outros funcionários de seu Governo. Durante a sua visita, a CIDH desenvolveu um programa de trabalho em Lima, Ayacucho, Puno, Tacna e Arequipa, onde se reuniu com autoridades estatais, assim como com representantes da sociedade civil. A CIDH se reuniu com autoridades e internos dos estabelecimentos penitenciários de Ayacucho, de Yanamayo e Challapalca, Castro Castro, Socabaya e o Quartel General "Simón Bolívar". A Comissão teve oportunidade, igualmente, de se reunir em Lima com numerosas organizações não governamentais de direitos humanos e contou com o apoio inestimável da Coordenadoria Nacional de Direitos Humanos na organização de vários dos encontros com setores da sociedade civil peruana. A CIDH recebeu queixas de pessoas que denunciaram, diretamente ou através de seus representantes, ter sido vítimas de violações dos direitos humanos.

Em 2 de junho de 2000, a CIDH aprovou o Segundo Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no Peru . Nas reflexões finais desse relatório, a Comissão considerou que a deficiência dos princípios fundacionais do Estado democrático de direito na República do Peru era incompatível com as obrigações do Estado à luz da Convenção Americana sobre Direitos Humanos. A Comissão assinalou que a eleição do Engenheiro Alberto Fujimori, em maio de 2000, não foi realizada conforme as devidas garantias de lisura eleitoral que exige o exercício soberano de vontade do povo peruano, em violação do artigo 23 da Convenção Americana. A Comissão Interamericana assinalou que esse processo eleitoral constituiu claramente uma interrupção irregular do processo democrático a que se refere a Resolução 1080, adotada em 1991 pela Assembleia Geral da OEA. A CIDH urgiu o restabelecimento do Estado de direito no Peru e a convocação, num prazo razoável, de eleições livres, soberanas, justas e autênticas que cumprissem os padrões internacionais respectivos. Em seu relatório anual de 2001, a CIDH publicou um Relatório de Acompanhamento sobre o cumprimento das recomendações desse relatório por parte do Estado do Peru.

Guatemala, 6 a 11 de agosto de 1998

Em virtude de um convite do Estado, a Comissão realizou uma visita à Guatemala de 6 a 11 de agosto de 1998, com o fim de colher informações em primeira mão relativa à situação dos direitos humanos. A delegação para esta visita foi composta pelo Presidente da CIDH, Carlos Ayala Corao, e os Comissários Claudio Grossman e Hélio Bicudo. A Comissão contou com o apoio técnico do Secretário Executivo, Jorge E. Taiana, do Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, e dos advogados Elizabeth Abi-Mershed, Osvaldo Kreimer e Verónica Gómez.

Durante sua estadia na Guatemala, a Comissão se reuniu com o Presidente da República, Álvaro Arzú Irigoyen, o presidente do congresso, Rafael Barrios Flores, e outras autoridades do Poder Legislativo. Além disso, a Comissão se reuniu com uma ampla gama de representantes da sociedade civil e recebeu pessoas que desejavam denunciar supostas violações dos direitos humanos ou que buscavam informação sobre o sistema regional de direitos humanos.

Após a visita, a CIDH publicou o Quinto Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos na Guatemala , aprovado em 6 de abril de 2000. Em seu relatório anual correspondente a 2002, a CIDH publicou um Relatório de Acompanhamento sobre o cumprimento das recomendações desse relatório por parte do Estado.



1997

Colômbia, 1 a 8 de dezembro de 1997

A delegação da CIDH que realizou uma visita à Colômbia em dezembro de 1997 esteve integrada pelo Presidente, John Donaldson, o Primeiro Vice-Presidente, Carlos Ayala Corao, o Segundo Vice-Presidente, Robert K. Goldman, e os Comissários Claudio Grossman, Oscar L. Fappiano e Jean Joseph Exumé. O Comissário Álvaro Tirado Mejía não participou da visita, de acordo com o Regulamento, por ser de nacionalidade colombiana. Hélio Bicudo, Comissário eleito, acompanhou a Comissão como assessor especial. Também participaram da visita o Secretário Executivo, Jorge E. Taiana, o Secretário Executivo Adjunto, David J. Padilla, e os advogados especialistas em direitos humanos Osvaldo Kreimer, Denise Gilman e Mario López-Garelli. A Comissão contou com o apoio administrativo de Gabriela Hageman, Gloria Hansen e Martha Keller.

Durante a sua visita, a Comissão se reuniu com o Presidente da Colômbia, Ernesto Samper Pizano, e com outras autoridades políticas, administrativas, legislativas e judiciais de alto nível, assim como com numerosas organizações não governamentais de direitos humanos e com hierarcas eclesiásticos, dirigentes políticos, comerciantes, representantes da imprensa, sindicalistas e outros representantes da sociedade civil. Além disso, a Comissão se reuniu com representantes de organizações internacionais. Delegações da CIDH visitaram outras zonas da Colômbia, incluindo Porto Asís no Departamento de Putumayo, Medellín e Urabá no Departamento de Antioquia, Villavicencio no Departamento do Meta e o território da comunidade indígena U'wa.

Após a visita, a CIDH publicou o Terceiro Relatório sobre a Situação Dos Direitos Humanos na Colômbia , aprovado em 26 de fevereiro de 1999.

República Dominicana, 16 a 20 de junho de 1997

LA CIDH realizou uma visita à República Dominicana em junho de 1997 com o objetivo de observar a situação dos direitos humanos nesse país. A delegação esteve integrada pelo Presidente da CIDH, John S. Donaldson, o Relator para a República Dominicana, Comissário Claudio Grossman, o Comissário Álvaro Tirado Mejía, o Secretário Executivo, Jorge E. Taiana, e pessoal da Secretaria Executiva.

Durante a sua visita, a Comissão Especial se reuniu com o Presidente da República, Leonel Fernández Reyna, e com outras autoridades do Estado, organismos internacionais e organizações não governamentais e visitou centros de detenção. Também se realizaram reuniões de trabalho com relação a petições e casos.

Após esta visita, a CIDH publicou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos na República Dominicana , aprovado em 7 de outubro de 1999. Em seu relatório anual correspondente a 2001, a CIDH publicou um Relatório de Acompanhamento sobre o cumprimento das recomendações desse relatório por parte do Estado.

Bolívia, 26 de abril a 2 de maio de 1997

De 26 de abril a 2 de maio de 1997, a CIDH realizou uma visita à Bolívia com o objetivo de investigar os fatos ocorridos no mês de dezembro de 1996, nas localidades de Amayapampa, Llallagua, e Capasirca, localizadas no norte do Departamento de Potosí, após convite do Governo boliviano para que a CIDH investigasse estes fatos. Participaram da visita o Presidente da Comissão, John S. Donaldson, os Comissários Claudio Grossman e Jean Joseph Exume, o Secretário Executivo, Jorge E. Taiana, o Secretário Executivo Adjunto, David J. Padilla, e os especialistas em direitos humanos Milton Castillo e María Noel Rodríguez.

Na cidade de La Paz, o Presidente da República, Gonzalo Sánchez de Lozada, recebeu a CIDH, que também se reuniu com vários ministros e ex-ministros, autoridades de outros poderes do Estado e autoridades do Exército e da Polícia Nacional. Um grupo da CIDH se dirigiu ao local dos fatos, onde realizou uma visita de inspeção e recolheu numerosos testemunhos dos trabalhadores mineiros e camponeses da zona. A Comissão também se reuniu com os familiares dos falecidos e um grupo dos feridos na Universidade Siglo XX da cidade de Llallagua e viajou a Amayapampa e Capasirca, onde recebeu os testemunhos de dirigentes sindicais e camponeses. Igualmente, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos recebeu testemunhos e abundante informação de diferentes membros da sociedade civil, camponeses, líderes de entidades em defesa dos direitos humanos e representantes sindicais. A Comissão Interamericana de Direitos Humanos recebeu também a viúva do Coronel Eduardo Rivas e os policiais feridos nos acontecimentos.

Em 29 de julho de 1997, a CIDH aprovou o Relatório sobre os fatos ocorridos nas localidades de Amayapampa, Llallagua e Capasirca, norte do Departamento de Potosí, Bolívia, em dezembro de 1996.



1996

México, 15 a 24 de julho de 1996

A CIDH realizou uma visita ao México de 15 a 24 de julho de 1996. Fizeram parte da delegação o Presidente da CIDH, Claudio Grossman, o Primeiro Vice-Presidente, John S. Donaldson, o Segundo Vice-Presidente e Relator para o México, Carlos Ayala Corao, e os comissários Oscar Luján Fappiano, Álvaro Tirado Mejía, Jean Joseph Exumé e Robert K. Goldman. Participaram também o Secretário Executivo, Jorge E. Taiana, os secretários executivos adjuntos, David Padilla e Domingo Acevedo, e os advogados especialistas em direitos humanos Osvaldo Kreimer e Ibrahim García.

Durante a sua visita, a CIDH desenvolveu um programa de trabalho na Cidade do México e nos Estados de Chiapas, Guerrero e Baja California, onde se reuniu com autoridades e com representantes da sociedade civil. A CIDH se reuniu com o Presidente do México, Ernesto Zedillo, e com outras altas autoridades federais, estaduais e distritais, assim como com representantes da Igreja, empresários, meios de comunicação, organizações não governamentais de direitos humanos e outros representantes da sociedade civil.

Em 24 de setembro de 1998, a CIDH publicou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no México .



1995

Brasil, 27 de novembro a 8 de dezembro de 1995

A Comissão levou a cabo uma visita ao Brasil entre em 27 de novembro e 8 de dezembro de 1995. A delegação da Comissão foi integrada pelo Presidente, Álvaro Tirado Mejía, o Primeiro Vice-Presidente, Claudio Grossman, o Segundo Vice-Presidente, John S. Donaldson, os Comissários Oscar L. Fappiano e Patrick Robinson, a Secretária Executiva, Edith Márquez Rodríguez, o Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, o assessor Domingo Acevedo e os especialistas em direitos humanos Martha Braga, Osvaldo Kreimer, Milton Castillo e Felipe Sánchez.

A delegação se subdividiu a fim de dirigir-se a diferentes zonas do país, de maneira a poder visitar Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e várias cidades nos Estados da Bahia, Pernambuco, Pará e Roraima.

Em 29 de setembro de 1997, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no Brasil .

Guatemala, 5 a 10 de julho de 1995

Com a finalidade de realizar investigações referentes a um caso pendente na Comissão, entre 5 e 10 de julho de 1995 realizou-se uma visita especial à Guatemala. Viajou o Secretário Executivo Adjunto da CIDH, David Padilla, com o objetivo de gerir a proteção a um procurador ameaçado de morte por grupos paramilitares.



1994

Equador, 7 a 11 de novembro de 1994

A CIDH visitou o Equador de 7 a 11 de novembro de 1994. A delegação da Comissão que visitou o Equador esteve composta pelo Presidente, Michael Reisman, o Primeiro Vice-Presidente, Álvaro Tirado Mejía, o Segundo Vice-Presidente, Leo Valladares, o Comissário John Donaldson, o Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, o assessor jurídico Domingo Acevedo e a especialista em direitos humanos Elizabeth Abi-Mershed.

A Comissão reuniu-se com o Vice-Presidente da República, Alberto Dahik Garzozi, o Presidente da Corte Suprema de Justiça, Francisco Acosta Yepes, diversos ministros e outras autoridades de Governo, bem como com representantes de várias organizações não governamentais que trabalham na área de direitos humanos. Além disso, foram realizadas audiências com pessoas e instituições representativas de diversos setores sociais, que ofereceram informação acerca da situação dos direitos humanos no Equador, incluindo organizações ambientais. A Comissão recebeu um número considerável de denúncias individuais, recebeu testemunhos de familiares dos presos e desaparecidos e se reuniu com peticionários interessados em apresentar informação relacionada com casos individuais.

A Comissão visitou Quito, Guayaquil e vários pontos do interior do país. Foram inspecionadas várias instalações de produção de petróleo e depósitos de resíduos, seu impacto sobre o meio ambiente local e o impacto sobre a população local. A delegação realizou reuniões com representantes dos povos Cofan, Siona-Secoya, Shuar, Achuar, Quichua e Huaorani, bem como com representantes da Frente de Defesa Amazônica, a Federação de Comunidades, o Parlamento de Nacionalidades Indígenas da Amazônia Equatoriana (FCUNIAE), a Comissão de Direitos Humanos Francisco de Orellana, camponeses da organização La Delicia e da localidade de La Primavera e com representantes das Missões Carmelita e Capuchina.

Em 24 de abril de 1997, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no Equador .

Haiti, 16 a 20 de maio de 1994

A visita ao Haiti teve lugar de 16 a 20 de maio de 1994. A delegação da Comissão esteve composta pelos Comissários Patrick Robinson, John Donaldson e Claudio Grossman, bem como pela Secretária Executiva, Edith Márquez Rodríguez, e as advogadas Bertha Santoscoy-Noro, Relinda Eddie e Isabel Ricupero.

Durante sua visita a Comissão se reuniu com o Primeiro-Ministro, Robert Malval, e outras autoridades do Governo. A CIDH também se reuniu com o coordenador da antiga Comissão Presidencial, Padre Antoine Adrien, e representantes de organismos não governamentais, incluindo organismos populares de base, grupos de direitos humanos, dirigentes de vários partidos políticos, representantes dos meios de comunicação, do setor industrial e de diferentes igrejas. Devido à falta de autorização, a delegação não pôde visitar a Penitenciária Nacional de Porto Príncipe e informar-se diretamente sobre a situação judicial dos prisioneiros e o estado em geral em que se mantém o centro de detenção. A Comissão escutou testemunhos de um grande número de vítimas de violações dos direitos humanos, subdividindo-se em cinco grupos para atender a todas as pessoas e atuando em lugares clandestinos devido ao temor que expressaram de ser identificados.

Além disso, entre 22 e 27 de maio de 1994, uma delegação da CIDH visitou as Bahamas para conhecer a situação de refugiados haitianos naquele país. A delegação esteve composta pelo Presidente, Michael Reisman, e os comissários Leo Valladares Lanza e John Donaldson, bem como pela Secretária Executiva, Edith Márquez Rodríguez, o Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, e a especialista em direitos humanos Relinda Eddie. A delegação visitou assentamentos haitianos na Grande Ábaco (Marsh Harbour, Treasure Cay), Grande Bahama (Freeport), Eleuthera e Nova Providência, bem como o campo de detenção Carmichael Road.

Em 9 de fevereiro de 1995, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação de Direitos Humanos no Haiti .

Guatemala, 4 a 11 de março de 1994

A CIDH realizou uma visita à Guatemala de 4 a 11 de março de 1994. A delegação esteve integrada pelo Segundo Vice-Presidente, Leo Valladares Lanza, o Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, e os especialistas em direitos humanos Osvaldo Kreimer e Elizabeth Houppert.

A delegação manteve reuniões com autoridades nacionais, tomou contato com representantes das CPR, com organismos de direitos humanos, com organismos técnicos do Governo, entre eles a Comissão Nacional de Atenção a Repatriados, Refugiados e Deslocados (CEAR) e o Fundo Nacional para a Paz (FONAPAZ), e se reuniu com o Procurador dos Direitos Humanos e o Diretor da Polícia Nacional, entre outros. A CIDH visitou Quiché, onde conversou com líderes e moradores das CPR normalizadas em Santiaguito, San Luis, San Francisco, Los Altos e La Esperanza, (Ixcán) e as CPR em Cabá e Santa Clara (Sierra). Além disso, a Comissão visitou as aldeias próximas de Centro Veracruz (Ixcán) e Asunción del Copón (Sierra), bem como áreas de cultivo de algumas das CPR e se reuniu com patrulhas militares que operam nesses territórios.

Em 16 de junho de 1994, a CIDH aprovou o Relatório Especial Sobre a Situação dos Direitos Humanos das "Comunidades de Resistência" da Guatemala.



1993

Haiti, 23 a 27 de agosto de 1993

A CIDH visitou Haiti de 23 a 27 de agosto de 1993. A delegação esteve integrada pelo Vice-Presidente da CIDH, Michael Reisman, e os comissários Oliver Jackman, Marco Tulio Bruni Celli, Leo Valladares Lanza e Patrick Robinson; o Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, e as especialistas em direitos humanos Bertha Santoscoy, Relinda Eddie e Meredith Caplan.

A delegação da CIDH se reuniu com o Primeiro-Ministro, Robert Malval, e com representantes de alguns dos principais partidos políticos. Também manteve encontros com membros da Missão Civil OEA/ONU, se reuniu com representantes de organismos não governamentais de direitos humanos, com o Comandante em Chefe das Forças Armadas, Raúl Cédras, e integrantes do Estado Maior, bem como com vários membros do Parlamento, representantes dos meios de comunicação, líderes sindicais e autoridades religiosas. A CIDH recolheu testemunhos de vítimas de violações de direitos humanos por parte dos militares. Dividida em subgrupos, a delegação da CIDH visitou o interior do país, incluindo a região do Planalto Central, a região de Artibonite e Gonaives, entre outras. Visitou o Centro Penitenciário de Porto Príncipe e recebeu denúncias sobre violações dos direitos humanos.

Em 11 de fevereiro de 1994, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no Haiti .

Peru, 17 a 21 de maio de 1993

A CIDH realizou uma visita ao Peru entre 17 e 21 de maio de 1993. A delegação esteve integrada pelo Presidente da Comissão, Oscar Luján Fappiano, o Primeiro Vice-Presidente, Michael Reisman, o Comissário Leo Valladares Lanza, a Secretária Executiva, Edith Márquez Rodríguez, o Secretário Executivo Adjunto, David J. Padilla, o assessor especial Domingo Acevedo, e o especialista em direitos humanos Sergio Apter.

A Comissão se reuniu com o Presidente Alberto Fujimori, vários membros de seu gabinete ministerial, o Procurador da Nação, o Diretor da Polícia Nacional, o Presidente do Conselho Supremo de Justiça Militar e o Comando Conjunto da Força Armada, entre outras autoridades. A delegação também manteve reuniões com os membros da Comissão de Direitos Humanos do Congresso Constituinte Democrático; com o Presidente e o Secretário-Geral da Conferência Episcopal; e com o Chefe de Delegação do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, entre outras organizações. Foram realizadas reuniões com representantes da Coordenadoria Nacional de Direitos Humanos, a Comissão Andina de Juristas, o Conselho Peruano de Direito Internacional, o Foro Democrático e o Conselho para a Paz. Além disso, dialogaram com a Comissão outras pessoas e instituições representativas da sociedade peruana, como o Colégio e a Federação Nacional de Jornalistas, a Federação Médica Peruana, associações de advogados e dirigentes de órgãos de imprensa. Uma delegação da Comissão visitou cinco centros de detenção em Lima e duas penitenciárias em Puno para examinar suas condições e receber informação. A Comissão recebeu familiares de detentos e desaparecidos, bem como representantes de pessoas que apresentaram petições.

Ao finalizar a visita, a CIDH emitiu o Comunicado de imprensa 12/93 .



1992

Guatemala, 2 a 6 de novembro de 1992

A CIDH realizou uma visita à Guatemala de 2 a 6 de novembro de 1992. A delegação esteve integrada pelo Presidente, Marco Tulio Bruni Celli, os Comissários Leo Valladares Lanza, Patrick L. Robinson e Álvaro Tirado Mejía, a Secretária Executiva, Edith Márquez-Rodríguez, o Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, e o especialista em direitos humanos Jorge Seall Sasiain.

A Comissão Interamericana se reuniu com o Presidente Jorge Serrano Elías e com membros do gabinete ministerial, bem como com autoridades da Procuradoria Geral da Nação, a Corte Suprema de Justiça, o Congresso e a Comissão Nacional de Reconciliação. Além disso, a Comissão concedeu audiências a representantes de organizações não governamentais de defesa e promoção dos direitos humanos, tais como o Escritório de Direitos Humanos do Arcebispado e Casa Alianza, entre outras. Foram realizadas reuniões com representantes de organizações indígenas, sindicais, estudantis e de imprensa. A CIDH visitou os centros penais de San José Pinula, El Pavón, El Pavoncito e o Centro Preventivo da Zona 18, nos quais se reuniu com suas autoridades, percorreu os pavilhões e recebeu o testemunho de alguns detentos.

Em 1º de junho de 1993 a CIDH aprovou o Quarto Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos na Guatemala .

Colômbia, 4 a 8 de maio de 1992

A CIDH visitou a Colômbia de 4 a 8 de maio de 1992. A delegação esteve integrada pelo Primeiro Vice-Presidente da CIDH, Oscar Luján Fappiano, o Segundo Vice-Presidente, Michael Reisman, o Comissário Leo Valladares Lanza, o Secretário Executivo Adjunto da CIDH, David Padilla, e os especialistas em direitos humanos Manuel Velasco Clark e Osvaldo Kreimer. A Comissão se reuniu com o Presidente da República, o Presidente da Corte Suprema de Justiça e o Presidente do Congresso, entre outras autoridades. A CIDH viajou ao interior e visitou o Departamento de Santander e o Departamento de Antioquia. Em Barrancabermeja e em Medellín, a CIDH instalou escritórios para receber denúncias e realizar reuniões com os organismos não governamentais de direitos humanos. A Comissão também realizou reuniões com representantes de diversas instituições não governamentais de direitos humanos, com representantes da Igreja e dos jornais e com organizações humanitárias, sindicais, indígenas, camponesas, profissionais e outras.

Em 14 de outubro de 1993 a CIDH aprovou o Segundo Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos na Colômbia .

Nicarágua, 27 a 30 de abril de 1992

A CIDH realizou uma visita de observação à Nicarágua de 27 a 30 de abril de 1992. A delegação esteve integrada pelo Presidente, Marco Tulio Bruni Celli, os Comissários Oliver Jackman e Alvaro Tirado Mejía, a Secretária Executiva, Edith Márquez Rodríguez, e os especialistas em direitos humanos Luis F. Jiménez e Marcela Briceño-Donn.

A delegação se reuniu com a Presidenta Violeta Barrios de Chamorro e outras autoridades dos poderes do Estado. A CIDH também se reuniu com o Cardeal Obando y Bravo; com instituições de defesa dos direitos humanos, como a Associação Nicaraguense em prol dos Direitos Humanos (ANPDH), o Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (CENIDH) e a Comissão Permanente de Direitos Humanos da Nicarágua (CPDH), bem como com o Movimento Civilista, a Associação Cívica Resistência Nicaraguense e a Associação Nacional de Confiscados, entre outras. Duas subcomissões viajaram ao interior do país, uma a Puerto Cabezas, na Costa Atlântica, e outra à prisão de Tipitapa, onde se reuniram com o Diretor do centro de reclusão, percorreram suas instalações e tiveram ocasião de dialogar com os condenados pelo homicídio de Pedro Joaquín Chamorro, com relação aos quais a CIDH tem um caso em trâmite.

Ao finalizar a visita, a CIDH emitiu o Comunicado de imprensa 5/92 .



1991

Haiti, 5 a 7 de dezembro de 1991

A Comissão efetuou uma visita de trabalho ao Haiti entre 5 e 7 de dezembro de 1991. A delegação esteve integrada pelo Presidente da Comissão, Patrick L. Robinson, o Vice-Presidente, Marco Tulio Bruni Celli, e os especialistas em direitos humanos Bertha Santoscoy-Noro e Luis Jiménez. A Delegação se reuniu com o Ministro de Assuntos Exteriores e de Cultos, Jean-Jacques Honorat, e outras autoridades, bem como com representantes de organizações de direitos humanos e de partidos políticos; visitou o centro de assistência à infância "La famille c'est la vie", se reuniu com representantes dos meios de comunicação, realizou entrevistas com representantes de sindicatos e da Igreja, bem como com outras forças vivas..

Peru, 28 a 31 de outubro de 1991

A CIDH realizou uma visita ao Peru de 28 a 31 de outubro de 1991. A delegação esteve integrada pelo Presidente, Patrick Robinson, o Primeiro Vice-Presidente, Marco Tulio Bruni Celli, o Segundo Vice-Presidente, Oscar Luján Fappiano, os Comissários Gilda M.C.M. de Russomano, Leo Valladares Lanza e Michael Reisman, a Secretária Executiva, Edith Márquez Rodríguez, e os especialistas em direitos humanos Luis F. Jiménez, Bertha Santoscoy-Noro e Jorge Seall-Sassian.

Durante a visita, a Comissão Interamericana se reuniu com o Presidente Alberto Fujimori, membros de seu gabinete, a Procuradoria para Direitos Humanos e Defensoria do Povo, entre outros. Duas subcomissões viajaram ao interior do país, a Tarapoto, Tocache, Ayacucho e Huancayo. A CIDH também se reuniu com instituições de defesa dos direitos humanos, como a Coordenadoria Nacional de Direitos Humanos, a Comissão Andina de Juristas e a Comissão Episcopal de Ação Social, recebeu pessoas e membros de instituições representativas da sociedade peruana, a Comissão de Familiares de Desaparecidos (COFADER), jornalistas e dirigentes de órgãos de imprensa e a Associação de Advogados Democráticos do Peru e visitou o Centro Penal Castro Castro.

Além disso, a CIDH realizou uma visita ao Peru de 8 a 18 de maio de 1989. Com a informação recolhida nas duas visitas e através de outros mecanismos, a CIDH elaborou o Relatório sobre a Situação de Direitos Humanos no Peru, aprovado em 12 de março de 1993 .



1990

Colômbia, 3 a 7 de dezembro de 1990

A CIDH visitou a Colômbia de 3 a 7 de dezembro de 1990. A delegação esteve integrada pelo Presidente da Comissão, Leo Valladares Lanza, o Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, e o especialista em direitos humanos Manuel Velasco Clark.

Durante a sua visita à Colômbia a delegação especial da CIDH manteve um intenso programa que incluiu entrevistas, audiências e reuniões de trabalho com as principais autoridades públicas da Colômbia, representantes de organizações não governamentais de direitos humanos, peticionários de casos individuais e denunciantes de casos ante a CIDH, representantes de diversos setores da sociedade colombiana, jornalistas, setores da Igreja vinculados a programas de proteção e defesa dos direitos humanos e representantes do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). A Comissão Especial manteve um intenso programa de entrevistas e reuniões de trabalho com diversas organizações não governamentais de direitos humanos da Colômbia.

Haiti, 17 a 29 de abril de 1990

A CIDH realizou uma visita ao Haiti de 17 a 29 de abril de 1990. A delegação esteve integrada pelo Presidente da Comissão, Oliver H. Jackman, o Vice-Presidente, Leo Valladares, e o Comissário Patrick L. Robinson; o Secretário Executivo Adjunto, David J. Padilla, e os especialistas em direitos Luis F. Jiménez e Bertha Santoscoy.

A CIDH se reuniu com a Presidenta do Haiti, Ertha Pascal Trouillot, e outras autoridades. Também se reuniu com representantes de organizações de direitos humanos, de partidos políticos e da imprensa com o objetivo de informar-se sobre o estado da liberdade de expressão; realizou entrevistas com juristas haitianos e com representantes de sindicatos, do setor industrial, da Câmara de Comércio e da Igreja, bem como outras forças vivas da nação. A delegação se dirigiu a Pont Sondé, St. Marc e Piatre e pôde observar os graves danos infligidos a esta última localidade e informar-se sobre as violações dos direitos humanos nestas regiões. Também escutou pessoas provenientes de diversos estratos sociais, da quais recebeu queixas, comunicações e informações relativas ao respeito dos direitos humanos.

Em 8 de maio de 1990, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no Haiti.

Guatemala, 29 de janeiro a 3 de fevereiro de 1990

A CIDH realizou uma visita à Guatemala de 29 de janeiro a 3 de fevereiro de 1990. A delegação esteve integrada pelo Vice-Presidente da CIDH, Leo Valladares Lanza, e o Comissário John Stevenson, além do Secretário Executivo Adjunto, David J. Padilla, e o especialista em direito humanos Manuel Velasco Clark. O propósito da visita foi realizar uma investigação do Caso N° 10.400, referente ao assassinato de 21 camponeses entre 22 e 29 de novembro de 1988 na região montanhosa da Guatemala conhecida como Sierra Madre, próxima do monte Las Minas, a montanha El Soco e o Distrito de San Isidro; e conhecer as investigações efetuadas pelos organismos da República da Guatemala a respeito.

A CIDH reuniu-se com o Presidente da República, o Presidente da Corte Suprema, o Procurador dos Direitos Humanos, Ministros do Gabinete e o Diretor Geral da Polícia Nacional, bem como outras autoridades civis e militares, tanto nacionais como departamentais, o médico legista e autoridades judiciais. Além disso, a delegação se reuniu com os sobreviventes, viúvas e parentes das vítimas e testemunhas. A delegação manteve reuniões com representantes de diversas instituições políticas, humanitárias e profissionais. Foram realizadas duas visitas à zona de Chimaltenango, San Andrés Itsapa, El Aguacate e o Quartel da Zona 302 e a delegação percorreu os caminhos da montanha onde tiveram lugar os sequestros e as expedições de busca e onde se encontraram os túmulos e os cadáveres das vítimas.



1989

Panamá, 27 de fevereiro a 3 de março de 1989

A CIDH visitou o Panamá de 27 de fevereiro a 3 de março de 1989. A delegação esteve integrada pelo Presidente da Comissão, Marco Tulio Bruni Celli, os Comissários Oliver Jackman e Leo Valladares Lanza, o Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, e os especialistas José Miguel Vivanco e Bertha Santoscoy.

A Comissão manteve entrevistas com as autoridades de Governo e com representantes de diversos setores da sociedade panamenha, como grupos de direitos humanos, partidos políticos, meios de comunicação social, Igreja Católica, organismos empresariais, sindicais, de caráter humanitário e clubes cívicos. Além disso, visitou vários centros carcerários.

Em 9 de novembro de 1989, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no Panamá.



1988

Haiti, 29 de agosto a 2 de setembro de 1988

A CIDH realizou uma visita ao Haiti de 29 de agosto a 2 de setembro de 1988. A delegação não pôde reunir-se com o Presidente do governo militar, Henri Namphy, mas se reuniu com o Ministro das Relações Exteriores, General Hérard Abraham, o Ministro de Justiça, Brigadeiro General Fritz Antoine, o Ministro do Interior e Defesa Nacional, General Williams Regala, entre outros. Além disso, foram realizadas reuniões com organizações de defesa dos direitos humanos, líderes políticos, membros da imprensa escrita e oral, autoridades das entidades religiosas e com o setor comercial e laboral. A delegação também visitou St. Marc, Pont Sondé, Petite Riviere, Thomonde, Papaye e Hinche, com o objetivo de constatar a situação dos direitos humanos no interior do território haitiano.

Em 7 de setembro de 1988, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no Haiti.



1985

Guatemala, 6 a 10 de maio de 1985

A CIDH realizou uma visita à Guatemala de 6 a 10 de maio de 1985. A delegação esteve integrada pelo Presidente da CIDH, César Sepúlveda, os Comissários Andrés Aguilar, Marco Gerardo Monroy Cabra e Bruce McColm, o Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, e o especialista em direitos humanos Manuel Velasco Clark. A delegação se reuniu com as autoridades do Poder Executivo e do Poder Judiciário, bem como com representantes de organizações políticas, entidades profissionais, autoridades eclesiásticas, representantes da empresa privada, representantes da imprensa e entidades sindicais. Visitou um centro de detenção e reabilitação penal. A delegação também visitou o departamento de El Quiché e a área denominada "triângulo de Ixil", onde inspecionou San Felipe de Chenlá, Tzalbal, Acul e o Campo de Acumbal, próximo da pista de Nebaj. A CIDH entrevistou direta e pessoalmente diferentes pessoas que compõem as Patrulhas de Autodefesa Civil e também moradores de cada uma das aldeias visitadas. Do mesmo modo, foram recebidas numerosas denúncias.

Em 3 de outubro de 1985 a CIDH aprovou o Terceiro Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos na República da Guatemala.

Suriname, 12 a 18 de janeiro de 1985

A CIDH realizou uma visita ao Suriname de 12 a 18 de janeiro de 1985. A delegação se reuniu com o Primeiro-Ministro interino, E. L. Tjon Kie Sin, e o Presidente da República em exercício, L. P. Ramdat Misier, o Presidente Interino do Tribunal Supremo, Oosterling, e vários membros do gabinete de governo. A CIDH dedicou pelo menos a metade de seu tempo a realizar visitas privadas a dirigentes religiosos, políticos, sindicais, jornalistas, universitários e profissionais. Recebeu também numerosos cidadãos que desejavam apresentar denúncias sobre violações de direitos humanos no país. A delegação viajou também ao interior do país e visitou a comunidade Driettabexe e a aldeia Tepoe, entre outras.

A CIDH aprovou em 2 de outubro de 1985 o Segundo Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no Suriname .



1983

Suriname, 20 a 24 de junho de 1983

A CIDH realizou uma visita ao Suriname de 20 a 24 de junho de 1983, a convite do Governo. A delegação esteve integrada pelos Comissários Andrés Aguilar, Francisco Bertrand Galindo e Tom J. Farer, o Secretário Executivo, Edmundo Vargas Carreño, os especialistas Ernst Brea, Christina Cerna e Diana Decker, e Claudio Grossman, como assessor especial.

A CIDH aprovou em 6 de outubro de 1983 o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no Suriname .



1982

Guatemala, 21 a 26 de setembro de 1982

A CIDH realizou uma visita à Guatemala de 21 a 26 de setembro de 1982. A delegação esteve integrada pelo Presidente, Marco Gerardo Monroy Cabra, o Primeiro Vice-Presidente, César Sepúlveda, e os Comissários Carlos A. Dunshee de Abranches, Tom J. Farer e Francisco Bertrand Galindo, além do Secretário Executivo, Edmundo Vargas Carreño, o Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, e os especialistas em direitos humanos Manuel Velasco Clark e Santiago Chaves Escoto.

A Comissão se reuniu com o Presidente de Guatemala, Efraín Ríos Montt, e outras autoridades do Poder Executivo e do Poder Judiciário. Além disso, se reuniu com representantes de organizações políticas, entidades profissionais, instituições universitárias, personalidades de entidades religiosas, representantes de órgãos de imprensa, organizações indígenas, empresas privadas, organizações de mulheres, entre outras. No interior, visitou as cidades de Santa Cruz del Quiche e Chichicastenango e as aldeias Parraxtut, Pichiquil e El Pajarito, no Departamento de El Quiché; no Departamento de Huehuetenango, visitou a cidade do mesmo nome, bem como as localidades de Nentón e a aldeia de Colotenango; no Departamento de Alta Verapaz visitou Cobán, Las Pacayas e Somuc; no Departamento de Chimaltenango, visitou Estancia de la Virgen no Município de San Martín Jilotepeque e Agua Caliente no Município de San José de Poaquil.

Em 3 de outubro de 1983, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos na Guatemala .

Nicarágua, 1 a 9 de maio de 1982

A CIDH realizou uma visita à Nicarágua de 1º a 9 de maio de 1982, a convite do Governo. A delegação esteve integrada pelo Presidente, Tom J. Farer, e os Comissários César Sepúlveda e Luis Demetrio Tinoco Castro, bem como pelos especialistas em direitos humanos Christina Cerna e Manuel Velasco Clark.

A Comissão se reuniu com os membros da Junta de Governo de Reconstrução Nacional e outras autoridades, bem como com representantes de diversas instituições religiosas, humanitárias e profissionais do país. Durante a visita percorreu o território nicaraguense estudando todas as denúncias recebidas, especialmente as relacionadas às denúncias de abusos dos povos miskitos. Parte da delegação da CIDH visitou Honduras em 7 de maio, com o objetivo de conhecer a situação dos refugiados miskitos nicaraguenses nesse país. Esta subdelegação foi presidida por Luis Demetrio Tinoco Castro.

Em 29 de novembro de 1983, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos de um Setor da População Nicaraguense de Origem Miskito .



1980

Nicarágua, 6 a 11 de outubro de 1980

A CIDH realizou uma visita à Nicarágua de 6 a 11 de outubro de 1980, a convite do Governo. A delegação esteve integrada pelo Presidente, Tom J. Farer, o Primeiro Vice-Presidente, Marco Gerardo Monroy Cabra, o Segundo Vice-Presidente, Francisco Bertrand Galindo, e os Comissários Carlos A. Dunshee de Abranches, Luis Demetrio Tinoco Castro e César Sepúlveda, além de funcionários da Secretaria Executiva.

A delegação se reuniu com os membros da Junta de Governo de Reconstrução Nacional, com a Vice-Presidente da Suprema Corte de Justiça e outras altas autoridades. Também foram realizadas reuniões com representantes de organizações políticas, dos meios de comunicação, de organizações sindicais e do setor privado e com a população civil, que apresentou denúncias.

Em 30 de junho de 1981, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos na República da Nicarágua.

Colômbia, 21 a 28 de abril de 1980

A CIDH realizou uma visita de 21 a 28 de abril de 1980 à Colômbia a convite do Governo. A delegação esteve integrada pelo Presidente, Tom J. Farer, o Vice-Presidente, Francisco Bertrand Galindo, e os Comissários Carlos A. Dunshee de Abranches, Andrés Aguilar e César Sepúlveda, bem como pelo Secretário Executivo, Edmundo Vargas Carreño, o Secretário Executivo Adjunto, David Padilla, e os especialistas Edgardo Paz Barnica e Manuel Velasco Clark.

A delegação se reuniu com o Presidente Julio César Turbay Ayala e outras autoridades; com ex-presidentes, entidades de direitos humanos, entidades profissionais, organizações sindicais, representantes de empresas privadas e da sociedade civil que apresentaram denúncias à Comissão. A CIDH foi ao interior do país, realizando visitas a Cali, capital do Departamento do Valle do Cauca, a Medellín, capital do Departamento de Antioquía, e a Bucaramanga, capital do Departamento de Santander, onde realizou reuniões com autoridades departamentais e locais e visitou centros de detenção e centros militares.

Em 30 de junho de 1981 a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos na República da Colômbia.



1979

Argentina, 6 a 20 de setembro de 1979

Entre 6 e 20 de setembro de 1979, a CIDH realizou uma visita à Argentina, depois de solicitar autorização do Governo. A delegação esteve integrada pelo Presidente da CIDH, Andrés Aguilar, o Vice-Presidente, Luis Demetrio Tinoco Castro, os Comissários Marco Gerardo Monroy Cabra, Carlos A. Dunshee de Abranches, Tom J. Farer e Francisco Bertrand Galindo, o Secretário Executivo, Edmundo Vargas Carreño, e os especialistas em direitos humanos Edgardo Paz Barnica, Guillermo Fernández de Soto, Manuel Velasco Clark e Robert Norris.

A Comissão se reuniu com o ditador Jorge Rafael Videla e a Junta Militar de Governo integrada por Roberto E. Viola, Omar D. Graffigna e Armando Lambruschini, entre outras autoridades. A Comissão visitou também as cidades de Córdoba, Tucumán e Rosario. A Comissão considerou oportuno visitar ex-Presidentes da Nação, e se reuniu com Arturo Frondizi, Roberto M. Levingston, Alejandro Agustín Lanusse, Héctor J. Cámpora, que estava asilado na Embaixada do México, e Isabel Martínez de Perón, que se encontrava sujeita a prisão domiciliar em uma fazenda situada em San Vicente, Província de Buenos Aires. A CIDH também visitou líderes de entidades religiosas de diferentes credos, se reuniu com líderes de organizações protetoras de direitos humanos, com representantes de organizações políticas, associações de profissionais, associações sindicais, entidades comerciais, industriais e empresariais e associações de mulheres, entre outras. Durante toda a visita a Comissão recebeu denúncias sobre violações de direitos humanos no território argentino.

Em 11 de abril de 1980, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos na Argentina .



1978

Panamá, 29 de novembro a 7 de dezembro de 1978

De 29 de novembro a 7 de dezembro de 1978 a CIDH realizou uma visita ao Panamá a convite do Chefe de Governo, Omar Torrijos. A delegação foi integrada pelo Presidente da CIDH, Andrés Aguilar, os Comissários Fernando Volio Jiménez e Tom Farer e os especialistas em direitos humanos Charles Moyer, Roberto Álvarez e Robert E. Norris. A delegação visitou a cidade do Panamá, Colón e David, capital da província de Chiriquí, considerada centro da oposição ao Governo. Na cidade do Panamá foram realizadas reuniões com o Presidente, Demetrio Lakas, com o Chefe de Governo, Omar Torrijos, e com outros funcionários governamentais, como o Chefe de Inteligência Militar, Manuel Noriega, o Ministro de Governo e Justiça, o Procurador-Geral, os juízes da Corte Suprema e os membros do Conselho Nacional de Legislação. Visitou-se o centro de detenção com o objetivo de manter conversações com reclusos e poder observar as condições nas quais vivem. Foram recebidas pessoas que pediam audiências, representantes de associações profissionais (advogados, empresários e jornalistas), sindicatos, organizações políticas, estudantis e cívicas, além de porta-vozes de vários grupos religiosos.

Em 22 de junho de 1978 a CIDH aprovou o Relatório sobre a situação dos Direitos Humanos no Panamá .

Nicarágua, 3 de outubro de 1978

A convite do Governo e em cumprimento a uma decisão da Reunião de Consulta de Ministros das Relações Exteriores, a Comissão Interamericana iniciou uma visita à Nicarágua em 3 de outubro de 1978. A delegação esteve composta pelo Presidente da CIDH, Andrés Aguilar, o Vice-Presidente, Carlos A. Dunshee de Abranches, e os Comissários Carlos García Bauer, Fernando Volio Jiménez, Tom J. Farer e Marco Gerardo Monroy Cabra, bem como pelo Secretário Executivo da Comissão, Edmundo Vargas Carreño, o Secretário Executivo Adjunto, Charles Moyer, e os especialistas em direitos humanos Roberto Álvarez e Jorge Suárez Marill.

Durante sua visita a Comissão recebeu numerosas denúncias de violações dos direitos humanos que ocorreram no governo do General Anastasio Somoza.

Em 17 de novembro de 1979, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos na Nicarágua .

Haiti, 16 a 25 de agosto de 1978

A CIDH visitou o Haiti entre 16 e 25 de agosto de 1978, a convite do Governo. A delegação esteve integrada pelo Presidente da Comissão, Andrés Aguilar, os Comissários Carlos García Bauer e Marco Monroy Cabra e pessoal da Secretaria Executiva da CIDH.

A CIDH visitou a cidade de Port-au-Prince e duas cidades no interior do país: Cap Haitien e Jacmel. A Comissão se reuniu com o Presidente da República, Jean-Claude Duvalier, e outras autoridades dos três poderes do Estado, bem como com o Arcebispado Metropolitano, membros do corpo diplomático credenciados junto ao Governo do Haiti e representantes da sociedade civil, além de autoridades locais, tanto civis como militares. A delegação recebeu denúncias e testemunhos de habitantes do Haiti, bem como de porta-vozes de diversos grupos religiosos e representantes de associações profissionais e estudantis, sindicatos e organizações públicas e cívicas. Visitou a Penitenciária Nacional em Port-au-Prince e as prisões em Cap Haitien e Jacmel e se reuniu com prisioneiros e pessoas que manifestaram o desejo de apresentar denúncias. A Comissão também visitou algumas fábricas, entre elas Ciment d'Haiti, onde se haviam registrado conflitos recentemente, e se reuniu separadamente com patrões, operários e dirigentes sindicais.

Em 13 de setembro de 1979 a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no Haiti .

El Salvador, 9 a 18 de março de 1978

A CIDH visitou El salvador entre 9 e 18 de março de 1978. A delegação da Comissão esteve integrada pelo Vice-Presidente, Carlos A. Dunshee de Abranches, os Comissários Gabino Fraga e José Joaquín Gori, o Secretário Executivo, Edmundo Vargas Carreño, e os especialistas em direitos humanos Roberto Álvarez e Juan Roberto Eskenasy. A CIDH se reuniu com o Presidente, General Carlos Humberto Romero, e outras autoridades do Poder Executivo e do Poder Judiciário, bem como com autoridades religiosas e universitárias. Visitou centros de detenção com o objetivo de colher informação sobre a situação das pessoas privadas de liberdade. A Comissão foi a Aguilares, onde se reuniu com pessoas do lugar que fizeram denúncias e ofereceram testemunhos sobre violações dos direitos humanos e onde se realizaram reuniões com autoridades judiciais locais. Ademais, a Comissão se reuniu com pessoas representativas de muitos outros setores da população, como representantes da coalizão dos partidos políticos que constituem a principal oposição do Governo, o Comitê de Familiares de Desaparecidos e pessoas que alegam ter sido objeto de detenções arbitrárias e coerção física.

Em 17 de novembro de 1978 a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos em El Salvador .



1974

Chile, 22 de julho a 2 de agosto de 1974

A Comissão Interamericana realizou uma visita ao Chile em 1974. A delegação esteve integrada pelo Presidente, Justino Jiménez de Aréchaga, o Vice-Presidente, Carlos A. Dunshee de Abranches, e os Comissários Manuel Bianchi, Robert F. Woodward e Genaro R. Carrió.

Em 25 de outubro de 1974, a CIDH aprovou o Relatório sobre a Situação dos Direitos Humanos no Chile .



1969

El Salvador e Honduras, 4 a 10 de julho de 1969

El Salvador e Honduras apresentaram à CIDH pedidos de visita aos seus territórios para constatar diversos atos violadores dos direitos Humanos perpetrados contra seus cidadãos no outro país em questão. O governo de El Salvador solicitou à CIDH que realizasse uma visita a fim de constatar diversos atos violadores dos direitos humanos perpetrados contra seus cidadãos no território de Honduras. Por sua vez, Honduras solicitou que a Comissão realizasse uma visita para constatar as agressões que seus cidadãos sofreram em território salvadorenho. A CIDH visitou os dois países entre 4 e 10 de julho de 1969. A delegação da CIDH esteve composta pelos Comissários Justino Jiménez de Aréchaga e Manuel Bianchi, o Secretário Executivo, Luis Reque, e o especialista em direitos humanos Guillermo Cabrera.

Em 29 de abril de 1970, a Comissão aprovou relatório sobre esta visita.



1965

República Dominicana, 1 de novembro de 1965 a 7 de julho de 1966

A Comissão realizou uma visita à República Dominicana em 1966, a convite do Presidente do Governo Provisório, Héctor García Godoy. O objetivo desta visita era constatar a situação dos direitos humanos no processo de normalização política. A delegação encarregada da visita era composta pelo Presidente da Comissão, Manuel Bianchi, e os Comissários Ángela Acuña de Chacón, Carlos A. Dunshee de Abranches, Daniel Hugo Martins e Durward V. Sandifer. A Comissão viajou ao interior do país e realizou visitas a prisões como La Victoria e a prisão de Bonao, além de reunir-se com autoridades e representantes da sociedade civil.

A CIDH aprovou o relatório sobre esta visita em 28 de outubro de 1966.

República Dominicana, 1 de junho a 5 de setembro de 1965

Em 1º de junho de 1965 a CIDH iniciou uma visita à República Dominicana. A delegação esteve composta pelo Presidente da Comissão, Manuel Bianchi, os comissários Carlos Alberto Dunshee de Abranches, Ángela Acuña de Chacón, e Durward V. Sandifer, o Secretário Executivo, Luis Reque, e os especialistas em direitos humanos Isidoro Zanotti, Renzo Minut, Álvaro Gómez e Guillermo Cabrera. A visita foi realizada depois que a CIDH recebeu pedidos de examinar a situação de direitos humanos no país por parte do Governo Constitucional e do Governo de Reconstrução Nacional, ambos instalados depois do início, em 24 de abril de 1965, de um movimento que afetou a estabilidade do país e provocou a morte de milhares de pessoas e inumeráveis violações dos direitos humanos. A CIDH se reuniu com o Presidente do Governo Constitucional, Francisco Camaño, e com o Presidente do Governo de Reconstrução Nacional, Antonio Imbert Barrera. Além disso, a Comissão visitou San Francisco de Macorís, San Pedro de Macorís, La Vega, Barahona, Baní, Isla Beata, Santiago de los Caballeros, Puerto Plata, San Cristóbal, Base Naval de Haina, Base Naval de las Calderas, Azua, Monte Plata, com o fim de comprovar a situação de Direitos Humanos nessas cidades e localidades.

A Comissão aprovou em 15 de outubro de 1965 o Relatório sobre a atuação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos na República Dominicana .