CIDH

Comunicado de Imprensa

CIDH exalta resolução do Conselho de Direitos Humanos da ONU sobre a Nicarágua

29 de março de 2019

   Contato de imprensa

María Isabel Rivero
Imprensa e Comunicação da CIDH
Tel: +1 (202) 370-9001
mrivero@oas.org

   Mais sobre a CIDH
   Comunicados da CIDH

Nesta página encontram-se os comunicados de imprensa que foram emitidos em português. Para ver todos os comunicados emitidos no ano pela CIDH, por favor consultar a página em inglês ou em espanhol

A+ A-

Washington, D.C. – A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) exalta a resolução do Conselho de Direitos Humanos da ONU através da qual, dentre outros aspectos, expressa sua preocupação pelas violações a direitos humanos e abusos ocorridos desde abril de 2018; recomenda que o Governo da Nicarágua libere todas as pessoas detidas ilegal ou arbitrariamente; lamenta a decisão do Governo de Nicarágua de suspender a missão do Grupo Interdisciplinar de Especialistas Independentes na Nicarágua (GIEI-Ni) e do Mecanismo Especial de Seguimento para a Nicarágua (MESENI), e faz um apelo para que se retome a cooperação com o Escritório da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direito Humanos, a Organização dos Estados Americanos e a CIDH. Esta Resolução, intitulada “Promoção e proteção dos direitos humanos na Nicarágua”, foi adotada durante o 40º Período de Sessões do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas. (ONU).

“Nossa participação nestas sessões do Conselho de Direitos Humanos da ONU focalizou-se em dar visibilidade à grave situação de direitos humanos na Nicarágua”, indicou o Comissário Joel Hernández, Primeiro Vice-Presidente da CIDH, que representou a CIDH na sessão.

Pela primeira vez, a CIDH interviu no Segmento de Alto Nível das sessões, em 27 de fevereiro; nessa instância, o Comissário Hernández realizou uma apresentação concentrada principalmente na situação na Nicarágua. Além disso, a CIDH participou do debate interativo do Conselho de Direitos Humanos, em 7 de março, com uma apresentação sobre a situação na Nicarágua. Adicionalmente, em 19 de março a CIDH realizou um evento paralelo sobre a situação na Nicarágua e o trabalho do Mecanismo Especial de Seguimento para a Nicarágua (MESENI).

O Comissário Hernández também participou como palestrante em outros dois eventos paralelos, ambos sobre a Nicarágua. Um desses eventos ocorreu em 5 de março, com o título: “A crise de direitos humanos na Nicarágua: Uma análise baseada nas conclusões do Grupo Interdisciplinar de Especialistas Independentes para a Nicarágua (GIEI-Ni)”, o qual foi organizado pela Anistia Internacional e pelo Centro pela Justiça e o Direito Internacional (CEJIL). O outro, organizado pela Human Rights Watch, ocorreu em 7 de março, com o título “O papel do Conselho de Direitos Humanos em finalizar a crise de direitos humanos na Nicarágua”.

“O aumento da colaboração entre o sistema universal de direitos humanos e os mecanismos regionais de direitos humanos tem sido um objetivo das Nações Unidas desde a Conferência de Viena de 1993, e foi reiterado por resoluções deste Conselho de Direitos Humanos”, disse o Comissário Joel Hernández durante a sua apresentação perante o Conselho.

“Na última década, a CIDH vem trabalhando para ampliar sua colaboração com o sistema de direitos humanos da ONU e com outros mecanismos regionais, estabelecendo um ponto de referência e promovendo atividades conjuntas em seus distintos mecanismos. Isto se transformou em uma prioridade institucional do Plano Estratégico da CIDH 2017-2021”, acrescentou.

Adicionalmente, em seu discurso, o Comissário Hernández observou que “em alguns países da região, observamos expressões públicas de autoridades e segmentos sociais destinadas a consolidar uma retórica que proclama aberta ou encobertamente nacionalismos exacerbados e formas de discriminação como a xenofobia, a misoginia, a homofobia e, em geral, discursos de medo ou de ódio. Estes fatos resultaram em situações altamente preocupantes sem que os sistemas de proteção hajam podido combatê-los adequadamente”.

Neste contexto, é mais indispensável que nunca o trabalho colaborativo com o sistema universal de direitos humanos. A CIDH intensificou nos últimos anos as atividades conjuntas com a ONU. Em 2014, a CIDH assinou uma Declaração Conjunta de cooperação com o Escritório do Alto Comissariado de Direitos Humanos das Nações Unidas. Além disso, em 2017 o Escritório da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos e a CIDH lançaram o Mecanismo Conjunto de Defensores e Defensoras de Direitos Humanos, destinado a maximizar as capacidades de ambas instituições para a proteção destas pessoas.

Além disso, em 16 de dezembro de 2018, a CIDH e o Presidente do Comitê de Coordenação dos Procedimentos Especiais assinaram um roteiro que sistematiza a contribuição dos organismos entre si, detalhando as formas pelas quais se pode compartilhar informações e os tipos de atividades que podem ser realizadas conjuntamente.

A CIDH é um órgão principal e autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), cujo mandato surge a partir da Carta da OEA e da Convenção Americana sobre Direitos Humanos. A Comissão Interamericana tem como mandato promover a observância e defesa dos direitos humanos na região e atua como órgão consultivo da OEA na temática. A CIDH é composta por sete membros independentes, que são eleitos pela Assembleia Geral da OEA a título pessoal, sem representarem seus países de origem ou de residência.

 

No. 084/19