CIDH

Comunicado de Imprensa

CIDH anuncia a criação de Grupo Interdisciplinar de Especialistas Independentes para auxiliar na investigação dos recentes eventos de violência na Nicarágua

30 de maio de 2018

   Links úteis

 

   Contato de imprensa

María Isabel Rivero
Imprensa e Comunicação da CIDH
Tel: +1 (202) 370-9000
mrivero@oas.org

   Mais sobre a CIDH
   Comunicados da CIDH

Nesta página encontram-se os comunicados de imprensa que foram emitidos em português. Para ver todos os comunicados emitidos no ano pela CIDH, por favor consultar a página em inglês ou em espanhol

A+ A-

Washington D. C. - A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e a Secretaria-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) obtiveram hoje o consentimento do Estado da Nicarágua para criar um mecanismo para investigar os eventos violentos que vêm ocorrendo no país desde o último dia 18 de abril.

A CIDH apresentou uma proposta de criação de um Grupo Interdisciplinar de Especialistas Independentes (GIEI), com garantias de autonomia e independência, para auxiliar e apoiar as investigações dos atos violentos de acordo com a Recomendação 3 das Observações Preliminares da CIDH,publicadas após sua visita de trabalho à Nicarágua, realizada entre 17 e 21 de maio de 2018.

O GIEI Nicarágua será composto por quatro pessoas de alto nível técnico e reconhecida trajetória na proteção dos direitos humanos. Essas pessoas serão selecionadas pela CIDH e designadas pelo Secretário-Geral da OEA, além de contar com sua própria equipe técnica de confiança para realizar suas funções.

O GIEI terá, entre outras, as atribuições de: analisar tecnicamente as linhas de investigação e fazer recomendações de ações sobre os diferentes níveis de responsabilidade legal; analisar se durante a investigação estão sendo esgotadas corretamente todas as linhas de apuração e se estão sendo empregadas as figuras legais apropriadas ​​para enquadrar os possíveis delitos e seus respectivos responsáveis ​​e, se necessário, recomendar as ações que devem ser implementadas para garantir que esses objetivos sejam alcançados.

Para o desenvolvimento das suas atribuições, o Estado da Nicarágua garantirá aos especialistas acesso aos expedientes processados ​​pelo Ministério Público relacionados às investigações e eventuais processos criminais iniciados, além de acesso à informação pública relacionada aos fatos e às instalações, infra-estrutura, recursos e meios de comunicação, bem como a segurança necessária para realização de seu trabalho.

No âmbito da sua atuação, o GIEI terá a faculdade de propor às autoridades nicaraguenses medidas adicionais para garantir a segurança das pessoas que colaboram nas investigações realizadas, sejam como testemunhas, peritos ou colaboradores.

Ainda, o GIEI irá analisar o desenvolvimento de um Plano de Atenção às vítimas e seus familiares relacionados aos eventos ocorridos desde o dia 18 de abril, de acordo com os mais altos padrões internacionais e as melhores práticas regionais. Nesse sentido, recomendará quais ações deverão ser implementadas para oferecer a atenção e a reparação integral necessária às vítimas e às suas famílias.

O mandato do GIEI será de seis meses e poderá ser prorrogado por meio de acordo entre as Partes. O GIEI informará ao Estado os resultados parciais e finais das suas atividades, fará as recomendações que julgar convenientes, assim como preparará um relatório público final de seu trabalho.

A CIDH dará seguimento às recomendações fornecidas pelo GIEI.

"Para a CIDH a decisão de criar o GIEI para a Nicarágua é de fundamental importância, pois representa uma oportunidade de auxiliar as autoridades nicaraguenses em sua obrigação de investigar os atos de violência cometidos durante os protestos generalizados no país", comentou a Presidente da CIDH, Comissionada Margarette May Macaulay.

Além disso, a relatora da Comissão para a Nicarágua, Comissária Antonia Urrejola, que liderou a visita de trabalho no país, afirmou: "Esta é certamente uma das principais recomendações para avançar nas questões de justiça e paz no país. O próximo passo é a seleção dos membros do GIEI Nicarágua e sua rápida instalação. As Observações Preliminares da CIDH após a visita formam a base do trabalho do GIEI Nicarágua".

Para o Secretário Executivo da CIDH, Paulo Abrão, "a criação do GIEI busca atender ao clamor generalizado da sociedade nicaraguense de avançar com passos concretos e dotados de credibilidade para garantir o direito à verdade e devidamente identificar os responsáveis ​​pelos atos cometidos no cenário da grave crise de direitos humanos observada pela CIDH, bem como para a atenção integral das vítimas. Também acrescentou: "O GIEI deve ter as máximas garantias de autonomia e independência no seu trabalho."

A CIDH é um órgão principal e autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), cujo mandato surge a partir da Carta da OEA e da Convenção Americana sobre Direitos Humanos. A Comissão Interamericana tem como mandato promover a observância e defesa dos direitos humanos na região e atua como órgão consultivo da OEA na temática. A CIDH é composta por sete membros independentes, que são eleitos pela Assembleia Geral da OEA a título pessoal, sem representarem seus países de origem ou de residência.

No. 121 /18